rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Julian Assange Equador Wikileaks Prisão Embaixada Londres

Publicado em • Modificado em

Prisão de Julian Assange reflete virada à direita na América Latina

media
Assange é detido em Londres e EUA pedem sua extradição por ciberpirataria REUTERS/Henry Nicholls/File Photo

O governo do Equador mobilizou seus ministros para defender a decisão do presidente Lenin Moreno de retirar o asilo diplomático do ex-ativista Julian Assange, detido nesta quinta-feira (11) em Londres, onde se refugiava na embaixada equatoriana havia sete anos. Moreno é acusado pela oposição de “trair o povo” ao se distanciar politicamente de seu antecessor, Rafael Correa, de quem foi vice.


Com informações do correspondente da RFI em Quito, Éric Samson

Foi durante seu mandato que Correa, de esquerda, consentiu o asilo e a nacionalidade equatoriana a Assange - o que lhe possibilitou escapar da prisão até agora. Mas desde que Moreno foi eleito e assumiu o poder, há quase dois anos, o líder se aproximou cada vez mais da direita do país – seu ministro da Economia é um grande empresário equatoriano.

A polêmica decisão de entregar Assange, que deve ser extraditado aos Estados Unidos para ser julgado, reflete essa mudança. Moreno e Correa romperam relações – o ex-presidente acusa o atual de ser “o maior traidor da história equatoriana”. Correa sustenta que a iniciativa de entregar Assange ocorreu para evitar que o WikiLeaks divulgasse documentos que provariam o envolvimento do presidente com corrupção.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, explicou na televisão a decisão de entregar Julian Assange à polícia britânica, em 11/04/2019. @lenin/via REUTERS

A versão de Quito é outra. O ministro das Relações Exteriores José Valencia sinalizou que o Equador estava insatisfeito com o comportamento do hóspede ilustre. “Julian Assange beneficiou do asilo na nossa embaixada em Londres, mas teve uma série de atitudes inamistosas e fez insinuações contra o país que o protegia. Ele acusou o Equador de atender aos interesses de potências estrangeiras e disse que os nossos diplomatas eram espiões, acusações absolutamente grotescas e falsas”, argumentou Valencia.

Tentativa de desestabilização

De sua parte, Quito também acusa de espionagem o WikiLeaks, fundado pelo australiano. O governo suspeita que Assange utilizou a organização para tentar desestabilizar o presidente. “Temos elementos sólidos que nos fazem pensar que integrantes do WikiLeaks estão no Equador. Pelo menos um suspeito está no país há anos e dois hackers russos participaram a atividades de desestabilização do governo e espionagens das comunicações”, alegou a ministra do Interior do Equador, Maria Paula Romo.

A ministra informou que esse suspeito, que pode ter sido preso ao tentar deixar o Equador nesta quinta-feira, estava em contato “regular” com aliados do ex-presidente Correa. Valencia ainda argumentou que declarações políticas de Assange a favor da independência da Catalunha e sobre as eleições na Austrália dificultaram ainda mais a permanência dele na representação diplomática em Londres. Seus comentários violariam as convenções de Havana e Caracas sobre o asilo diplomático, sublinhou o ministro.

Violações de direitos humanos

A Defensoria Pública do Equador desaprovou a entrega de Assange, afirmando estar “profundamente preocupada” com o término do asilo ao fundador do WikiLeaks. Em uma nota, a entidade alega que a decisão “limitou os direitos da nacionalidade, o princípio da não-devolução e as garantias do devido processo previstos na Constituição” e nos instrumentos internacionais de direitos humanos.