rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Maduro antecipa feriadão ignorando caos econômico da Venezuela

Por RFI

O feriado da Semana Santa começa hoje (15). Pelo menos aqui na Venezuela. O presidente Nicolás Maduro criou um feriadão ao acrescentar três dias livres, de hoje a quarta-feira, além da quinta e sexta-feira santas. Com isso o país tem mais uma semana improdutiva.

Elianah Jorge, correspondente da RFI Brasil na Venezuela

A ordem foi dada para poupar energia durante este período de racionamento elétrico. No entanto, Maduro entrou em contradição. Primeiro, falou em reativar a produção nacional. Em seguida, anunciou as folgas.

A economia venezuelana, comprometida por diversos fatores, em março deste ano quase não produziu por causa das falhas elétricas. O setor petroleiro, que move a economia do país, também foi impactado.

Economia em estado crítico

De acordo com a Organização de Países Produtores de Petróleo (OPEP), a produção da Venezuela em março caiu 28,3% em relação a fevereiro. É o pior índice do país em três décadas.

O resultado deve ser ainda mais dramático no próximo levantamento. Zulia, localizado na região noroeste, é o principal estado produtor de petróleo da Venezuela e o que mais vem sofrendo com os cortes de energia.

O panorama da economia da Venezuela piora a cada dia.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) recuperar a saúde econômica do país demoraria entre uma ou mais décadas. Este ano os resultados serão, inclusive, abaixo do esperado. O Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com o FMI, deve ter uma contração de 25%.

Além disso, o Fundo suspendeu o acesso da Venezuela a saques de quase 400 milhões de dólares, o que ajudariam o governo de Maduro a ter fôlego econômico. As reservas do país estão em ouro e por causa das sanções dos Estados Unidos a Venezuela está tendo dificuldades para vender o metal.

Não bastando os números da caótica economia, o FMI entrou em um impasse ao não reconhecer Juan Guaidó como presidente interino do país, por isso a Venezuela ficará sem acesso aos benefícios do Fundo.

De acordo com a Torino Economics, escritório de economia com sede nos Estados Unidos, “os apagões de março na Venezuela geraram perdas equivalentes a 3,3% do PIB”.

Disputa política continua

Os dois lados continuam na acirrada disputa. Enquanto Nicolás Maduro pouco aparece, Diosdado Cabello, que é o segundo do chavismo, vem percorrendo alguns estados da Venezuela. No entanto, ele não visitou Zulia, o Estado mais afetado pelo apagão.

Quem capitalizou com a situação foi o autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó. Ele visitou cidades deste estado, sendo aclamado por multidões.

Enquanto Maduro anunciou defender o país ao aumentar o número de integrantes da milícia bolivariana, composta basicamente por aposentados; Guaidó baixou o tom ao anunciar passos da “Operação Liberdade”, cuja meta é chegar à sede da presidência da Venezuela. Ele também minimizou ao afirmar que apenas a Assembleia Nacional, de maioria opositora, pode autorizar uma intervenção militar na Venezuela.

Ambos os lados vêm ponderando ações. Com isso, o chavismo que vem ganhando tempo, situação que gera apreensão entre os que clamam por uma mudança rápida e positiva no país.

Mike Pompeo encerra visita

Neste domingo, Mike Pompeo encerrou em Cúcuta, na Colômbia, a visita a quatro países da região. É por esta cidade que diariamente centenas de venezuelanos fogem após passar pelas “trochas” - os caminhos alternativos à fronteira, que continua fechada.

Após passar por Chile, Paraguai e Peru, Pompeo foi recebido por Ivan Duque, o presidente colombiano.

Pompeo afirmou que “Colômbia e os Estados Unidos querem um melhor futuro para os venezuelanos, sob a liderança do presidente Juan Guaidó e da democraticamente eleita Assembleia Nacional”.

No Peru, onde esteve no sábado, o secretário americano classificou de “desastroso” o governo de Nicolás Maduro. Por telefone, ele também falou sobre a crise venezuelana com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo.

Enquanto o americano visitava instalações no lado colombiano, o chefe de distribuição das caixas de alimentos subsidiadas por Maduro, Freddy Bernal, estava no lado venezuelano onde afirmou que “Mike Pompeo vem amedrontar e dar ordens ao servil Ivan Duque, (enquanto) nós estamos aqui em união cívico militar com os coletivos”, os paramilitares que defendem com armas a revolução bolivariana.

 

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações

Israel recua e autoriza visita de deputada americana “por razões humanitárias”

Tropas chinesas na fronteira com Hong Kong anunciam mais tensão nos protestos

Suécia endurece lei antitabaco e proíbe até cigarro eletrônico em locais públicos

Festival de Cinema de Locarno tem filmes sobre índios e negros no Brasil

República Democrática do Congo não consegue conter ebola e registra novas contaminações

Renegociação do acordo sobre Itaipu não põe fim à crise política no Paraguai

EUA e China retomam negociações comerciais em Xangai, mas sem grandes entusiasmos

Após fim de semana de confrontos em Hong Kong, Pequim quer punição dos manifestantes

Festival de música eletrônica expõe Bélgica como polo europeu de drogas pesadas