rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Governo da Venezuela aperta cerco a deputados opositores

Por RFI

Às vésperas da chegada de uma missão do Grupo de Contato Internacional da Comissão Europeia à Venezuela o chavismo aperta o cerco e multiplica a retirada da imunidade parlamentar de deputados opositores. Por uma suspeita de explosivos, a sessão da Assembleia Nacional, dominada pela oposição, foi adiada e deve ser realizada nesta quarta-feira (15).

Por Elianah Jorge, correspondente da RFI na Venezuela

A sessão ordinária dessa terça-feira (14) da Assembleia Nacional foi reagendada para a manhã de hoje. Ontem pela manhã, poucas horas antes do início da reunião surgiu a denúncia de que haveria explosivos dentro do Palácio Federal Legislativo. O local foi cercado por guardas e policiais nacionais bolivarianos e também pelo Serviço de Inteligência Bolivariana, o SEBIN.

Não foi permitida a entrada dos legisladores da oposição, nem da imprensa.

Na sessão seria debatido, entre outros temas, o desaparecimento do vice-presidente da casa, o deputado Edgar Zambrano. Preso na semana passada e levado a uma das sedes do Sebin, em Caracas, Zambrano foi posteriormente trasnferido para outro local. Até o momento a família e os advogados do parlamentar desconhecem o paradeiro dele.

O cerco ao Palácio Legislativo aconteceu após o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ter acusado, na semana passada, dez parlamentares de participar do levante contra o presidente Nicolás Maduro no último dia 30 de abril. Nessa terça-feira, a Corte venezuelana, aliada ao chavismo, voltou a acusar mais quatro parlamentares opositores. Ao todo, 14 legisladores da oposição são acusados pelo TSJ.

Explosivos na Assembleia?

As forças de segurança do Estado que vistoriam o Palácio não esclareceram se havia explosivos no local, que levaram ao adiamento da sessão. No entanto, durante a tarde, a Assembleia Constituinte, que é totalmente chavista, legislou no mesmo espaço e sem contratempos. Na prática, a Assembleia Constituinte assumiu as funções parlamentares, depois que a mais alta corte de justiça declarou o Legislativo em "desodediência".

Na sessão, o presidente da Constituinte Diosdado Cabello ordenou retirar a imunidade parlamentar dos deputados Freddy Superlano, Sergio Vergara, Juan Andrés Mejía, Miguel Pizarro e Carlos Paparoni.

O presidente da Constituinte também pediu à justiça venezuelana que atue contra os opositores Maria Corina Machado e Andrés Velásquez. Embora não sejam parlamentares, eles são vozes críticas ao governo de Maduro.

Grupo de Contato da UE

O autoproclamado presidente Juan Guaidó convocou uma coletiva de imprensa às pressas na tarde de ontem. Ele afirmou que o governo de Nicolás Maduro quer fechar o parlamento venezuelano. De acordo com o líder opositor, a Assembleia Nacional, eleita em 2015, é a “única instância legítima reconhecida pelo mundo”.

Na coletiva estiveram presentes outros deputados, entre eles os apontados pelo TSJ e por Cabello. O clima era de consternação.

Guaidó informou que nas próximas horas chega à Venezuela uma missão do Grupo de Contato Internacional da Comissão Europeia para avaliar alternativas à situação política do país. Já os Estado Unidos denunciaram ao Conselho de Segurança da ONU o aumento da repressão por parte do governo de Nicolás Maduro e pediram respostas concretas.

Situação dos deputados opositores

Desde que Edgar Zambrano foi levado preso pelo Sebin, o clima é tenso entre os opositores. Até o momento são 14 deputados perderam a imunidade parlamentar. Eles são acusados de traição à pátria por supostamente participar do levante para tirar Nicolás Maduro do poder.

Na noite desta terça-feira, o deputado Franco Casella foi recebido na residência diplomática do México em Caracas. Outros deputados estão nas sedes diplomáticas de Argentina, Itália e Chile.

Além de Zambrano, outros parlamentares estão desparecidos. Há mais de 14 dias a família não sabe do paradeiro de Gilbert Caro. Após semanas isolado na prisão, somente neste fim de semana a família do assessor de gabinete de Guaidó, Roberto Marrero, pôde visitá-lo.

Reino Unido: imbróglio do Brexit e crise com Irã à espera do novo primeiro-ministro

Escândalo de corrupção envolvendo partido de Salvini e Rússia balança governo da Itália

Venezuela: crise econômica faz homicídios caírem porque armas custam caro demais

Nova presidente da Comissão Europeia quer continente neutro em carbono até 2050

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA