rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Depois de fracassar com o Brexit, Theresa May se prepara para deixar cargo de premiê

A primeira-ministra Theresa May deixa nesta sexta-feira (7) a liderança do partido conservador no Reino Unido. A premiê ficará no cargo por mais algumas semanas, até que o seu partido consiga escolher o seu sucessor, que poderá tentar renegociar o Brexit.

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres

Depois de dois anos, 10 meses e 27 dias no cargo, Theresa May deixa de ser a líder do partido conservador nesta sexta-feira (7). Ela permanecerá no cargo de primeira-ministra por mais algumas semanas, até que a legenda se decida, finalmente, o nome do seu sucessor. May é a segunda mulher a ocupar o posto, depois de Margaret Thatcher, mas, fez questão de ressaltar no discurso em que apresentou a renúncia, há duas semanas que "certamente não será a última".

O processo para se chegar ao nome do novo primeiro-ministro é complexo: os 11 políticos conservadores, que incluem só dois nomes femininos, têm até a semana que vem para oficializar as suas candidaturas. Depois, o partido realiza uma série de votações entre os deputados da legenda até chegar a dois nomes apenas. Na fase final, esses dois nomes são submetidos aos filiados do partido, que são 170 mil.

Antes mesmo da esperada renúncia de May, seus correligionários já se movimentavam. Um dos nomes mais cotados hoje é o do ex-ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, que já foi chamado pela mídia britânica de "o Trump do Reino Unido". Não foi por acaso, que dias antes de pousar em Londres, o presidente americano manifestou simpatia pelo nome de Johnson para ser o próximo primeiro-ministro.

Brexit derrubou primeira-ministra

O motivo da queda de May foi o Brexit, mas ele ainda não aconteceu e está previsto para 31 de outubro. Não resta dúvida de que o nome de May estará indissociavelmente ligado à questão do Brexit. Os historiadores terão de fazer um esforço para se lembrar de outras políticas e outros temas que tenham marcado a sua gestão. Ela assumiu em 2016, depois que seu antecessor, David Cameron, propôs o referendo e caiu em seguida, com a missão de entregar aos britânicos um caminho para que o país deixe a União Europeia.

May ficou conhecida nesses últimos quase três anos como uma pessoa obstinada e teimosa, até que, afinal, capitulou diante da impossibilidade de apresentar um acordo do Brexit que fosse aceitável pelo parlamento britânico. Isso não quer dizer que outra pessoa vá conseguir cumprir a tarefa. A mesma guilhotina que decapitou a Theresa May continuará a postos, à espera dos resultados que apresentará o seu sucessor.

Caos político

É difícil saber se o Brexit sai agora, independentemente de quem seja escolhido como o próximo primeiro-ministro. O Reino Unido continua em meio a um caos político, a maior crise desde o pós-guerra. Alguns candidatos ao cargo vêm dizendo que, sim, que o país deixará a União Europeia no próximo dia 31 de outubro como previsto, com ou sem acordo.

Há quem diga que pretenda renegociar o acordo fechado entre May e os europeus nesses últimos quase três anos.

A verdade é que as autoridades europeias reiteraram algumas vezes que não pretendem renegociar o que já foi discutido. Sair sem um acordo significa que os britânicos podem cair num mundo de incertezas, que pode ter efeitos nefastos sobre a sua economia. O próximo primeiro-ministro britânico terá que discutir a polêmica questão e terá também a missão de retomar as agendas do país para além do Brexit.

 

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país

Sucesso eleitoral da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Brasil apoia candidato chinês para substituir Graziano na liderança da FAO

Michelle Bachelet se encontra com Maduro e Guaidó durante visita à Venezuela

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May