rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

Por RFI

Após seis anos à frente da representação da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) em Brasília, o boliviano Alan Bojanic foi transferido para o  escritório da agência em Bogotá.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

Ele chega à Colômbia com o desafio de auxiliar na implementação do Acordo de Paz assinado entre governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em setembro de 2016, sobretudo na questão da redistribuição das terras.

Todavia, a estabilidade da Colômbia também passa pela gestão da crise migratória. A maior parte dos 4 milhões imigrantes que deixaram a Venezuela estão em solo colombiano. Sozinha, a Colômbia acolhe 1,3 milhões de venezuelanos.

Semiárido colombiano

Eles se concentram nos estados de fronteira ao norte, principalmente em La Guajira, onde as feridas de 20 anos de guerra civil ainda estão abertas.

Bojanic afirma que o Nordeste brasileiro tem muita coisa a oferecer para essa região marcada por longas estações de seca.

“A Embrapa em Petrolina tem um leque de tecnologias impressionante que seriam adaptáveis, começando pelo manejo da vegetação nativa, além dos programas de barragens subterrâneas, de captação de água das chuvas, as cisternas e os carros-pipa”, elenca.

Imigração para o campo

Para mitigar a insegurança alimentar em La Guajira, a FAO implementou alguns programas de resiliência, sobretudo de cultivos e atividades agrícolas a curto prazo, inclusive com o apoio financeiro do Brasil.

“Eu acho que se pudéssemos trazer essas tecnologias de manejo de recursos hídricos para os semiáridos que tem em Pernambuco, na Paraíba, no Ceará, poderíamos fazer muita coisa para alimentar os venezuelanos que estão chegando”, aposta.

Bojanic recorda que a imigração venezuelana não é estritamente urbana. “Muitos venezuelanos estão indo para o campo, trabalhando nas colheitas de café e cana de açúcar, e alguns já começam a se assentar”, conta.

Cultivos ilegais

Por outro lado, muitas terras que antes eram dominadas pelas FARC hoje se encontram em uma situação jurídica transitória. A remoção dos cultivos ilegais cabe ao Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Um dos mandatos da FAO previstos no Acordo de Paz é orientar os produtores que se encontram em situação precária após a destruição de cultivos ilegais, sobretudo de coca, marijuana e papoulas.

Outro fator que dificulta a transição é a perseguição sofrida por agentes humanitários e lideranças sociais, já que muitos têm sido friamente assassinados.

“É uma cultura de ilegalidade tão forte que é muito difícil erradicar, substituir sem violência. A ideia é encontrar uma forma para realizar essa substituição com zero vítimas”, conclui Bojanic.

(Rafael Belincanta, especial para a RFI)

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura