rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil- América Latina
rss itunes

"Não existe espaço para um Bolsonaro na Argentina", diz autor de livro sobre o brasileiro

Para o sociólogo Ariel Goldstein, um ex-militar não poderia emergir na política argentina, embora o candidato a vice na chapa de Macri, Miguel Ángel Pichetto, na esteira da vitória de Jair Bolsonaro no Brasil, defenda rediscutir o papel dos militares na sociedade argentina. Em entrevista à RFI, Goldstein também afirma que Cristina Kirchner aprendeu com o erro do PT de insistir na candidatura de Lula, e que as fake news, embora sejam um risco, não devem ter influência nas eleições argentinas como tiveram no Brasil.

 

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O sociólogo argentino Ariel Goldstein, especializado em política brasileira, foi o autor do primeiro livro no mundo sobre Jair Bolsonaro, depois de eleito presidente. "Bolsonaro, a democracia do Brasil em perigo" foi lançado em março, em Buenos Aires.

Desde então, Goldstein passou a acompanhar os reflexos do governo do ex-militar na região, sobretudo na Argentina, que entra agora na corrida eleitoral. O país vizinho foi o que mais condenou militares pelos crimes durante a última ditadura

"Acho que não existe espaço para um Bolsonaro na Argentina porque o consenso da fundação da democracia argentina rejeita os militares. As organizações de direitos humanos têm muita força. Embora haja uma direita evangélica crescente na Argentina e economistas liberais ganhem fôlego, não é possível um ex-militar - nem mesmo um candidato com um partido tão pequeno como o de Bolsonaro - chegar à Presidência", sentencia o sociólogo.

Em visita de Estado à Argentina em junho, o presidente brasileiro apelou à "responsabilidade dos argentinos" para evitarem que o país "se torne uma Venezuela", em alusão a eventual retorno de Cristina Kirchner ao poder. A campanha eleitoral argentina começa oficialmente dentro de uma semana. Bolsonaro voltará a Buenos Aires no próximo dia 16.

Bolsonaro, cabo eleitoral de Macri

Para Goldstein, o apoio eleitoral de Bolsonaro pode servir para Macri consolidar o voto conservador e dar um sinal de que também fará as reformas que o mercado espera, num eventual segundo mandato. "Bolsonaro vai tentar associar Cristina com a Venezuela. Isso pode servir para Macri dizer que o mundo não quer que a Argentina volte ao passado, mas Bolsonaro gera muita rejeição na Argentina pelo que ele representa, especialmente no que se refere à reivindicação da ditadura, que é algo chocante para o público argentino", avalia Goldstein.

Mas poderia o "kirchnerismo" tentar associar a imagem de Macri com a de Bolsonaro e os dois com a repulsa que os argentinos têm pelos militares? "Não acredito que a Cristina Kirchner possa atacar o Macri associando-o com Bolsonaro. A Argentina vai precisar ter uma boa relação com o Brasil, a maior economia da América Latina, independentemente de quem ganhar as eleições", acredita Goldstein

De fato, nesta semana, Alberto Fernández, o candidato de Cristina Kirchner disse que "não há nenhuma outra possibilidade a não ser estar bem com o Brasil que elegeu um presidente". "Eu respeito a decisão do povo brasileiro. Com o Brasil, só podemos estar unidos", disse Alberto Fernández, que, ao mesmo tempo, pediu: "Que o Bolsonaro continue falando mal de mim. Ele não sabe o favor que me faz", cutucou.

Brasil e Argentina se unem para facilitar o turismo entre si e para atrair turistas internacionais

Brasileira investe em "Parada Inteligente", rede de lojas de conveniência na Venezuela

Jovem da Baixada Fluminense realiza sonho de estudar na universidade Sorbonne em Paris

Insegurança, penúria, inflação galopante: brasileira relata o cotidiano em um bairro popular de Caracas

Mendoza, capital do vinho argentino, vive 'boom' de turistas brasileiros

Empresária brasileira vê o Caribe como porta de entrada para mercado europeu

Brasil pega onda no surfe para conquistar público jovem da América do Sul

Policiais argentinos voltam às praias de Santa Catarina para atender turistas

Brasil quer tirar do Caribe os turistas argentinos que viajarem no verão

Brasil faz primeira ação coordenada de turismo LGBT no mercado internacional

Cruzamento de dados da Lava Jato e da Cadernos da Corrupção pode revelar novos crimes

Na história da seleção argentina, a grande co-protagonista é a brasileira