rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Peru Crise Eleitores

Publicado em • Modificado em

Presidente peruano quer eleições antecipadas para sair da "crise institucional"

media
O presidente do Peru, Martín Vizcarra. ®APF/AFParchivos

O presidente peruano, Martín Vizcarra, propôs neste domingo (28) a realização de eleições legislativas e presidenciais antecipadas para tirar o país da "crise institucional".


"Apresento ao Congresso uma revisão constitucional que antecipará a data das eleições, o que implica que o atual mandato dos deputados terminará em 28 de julho de 2020", ou seja, com um ano de antecedência, explicou o chefe de Estado antes do parlamento. Ele também propôs que "da mesma forma", o mandato presidencial termine "na mesma data".

Martín Vizcarra, que ganhou popularidade ao se opor fortemente ao parlamento dominado pela oposição Fujimorista (direita populista), disse que sua proposta deveria ser endossada por um referendo popular uma vez que tenha sido debatido e eventualmente votado pelos deputados. "Você tem que ouvir a voz do povo", disse ele. "O Peru está gritando por um novo começo".

Em junho, Martin Vizcarra obteve uma grande vitória em sua luta contra a corrupção, obtendo um voto de confiança do Parlamento. Ele ameaçou dissolver e pedir novas eleições se os parlamentares não apoiassem suas reformas. Vizcarra, 56 anos, sucedeu Pedro Pablo Kuczynski, do qual foi vice-presidente.

Escândalo Odebrecht

Kuczynski foi forçado a renunciar em 2018 por suspeita de corrupção. Com 80 anos, ele já havia sido indiciado por lavagem de dinheiro no vasto escândalo de corrupção Odebrecht - o gigante da construção civil brasileiro. Outro ex-chefe de Estado, Ollanta Humala (2011-2016), também foi acusado no início de maio de lavagem de dinheiro como parte do escândalo.

A justiça peruana também está investigando o ex-presidente Alejandro Toledo (2001-2006) e a líder da oposição Keiko Fujimori, que está sob custódia desde 31 de outubro.

O terceiro ex-chefe de Estado, Alan Garcia (1985-1990 e 2006-2011), deu um tiro na cabeça em 17 de abril, quando a polícia chegou para prendê-lo em sua casa.