rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bolívia é recorde em feminicídio na América do Sul e tema entra para campanha eleitoral

A Bolívia lidera a lista de países sul-americanos como o maior número de feminicídios. Só este ano, cerca de 70 mulheres foram assassinadas em todo o país. Impactada pela quantidade de crimes deste tipo, a sociedade civil protesta. O presidente Evo Morales, que busca a quarta reeleição, quer que o feminicídio seja classificado como crime de lesa humanidade. 

Por Elianah Jorge, correspondente da RFI

De acordo com a CEPAL, a Comissão Econômica para a América Latina, o índice de feminicídios na Bolívia é de dois para cada 100 mil habitantes, o que posiciona o país como líder de crimes contra a mulher na região sul-americana.

O número de homens e de mulheres é praticamente equivalente nesta população de cerca de dez milhões de habitantes, porém o país ainda é bastante machista e patriarcal. A violência à mulher se estende também aos casos de violações e às agressões intrafamiliares.

Só este ano foram registrados mais de 70 feminicídios em todo o país.

O alerta soou quando uma mulher de 75 anos morreu por traumatismo craneano após ser agredida pelo marido. O aumento da crueldade é outro motivo de alarme. Em maio deste ano um homem usou dinamite para matar a esposa. E em junho, um adolescente de 16 anos assassinou a punhaladas e a pedradas a então namorada, de 18 anos. O caso gerou comoção e motivou protestos pedindo o fim do feminicídio na Bolívia.

Campanha eleitoral

No próximo 20 de outubro acontece o primeiro turno das eleições presidenciais. Os candidatos estão em plena campanha e alguns buscam votos defendendo as mulheres. Outros sequer tentam disfarçar o machismo.

O presidente Evo Morales, que insiste na quarta reeleição, em julho anunciou que seu governo aprovou um plano para erradicar esse tipo de violência.

Ele quer que o feminicídio seja declarado crime de lesa humanidade e prevê um tratado internacional com esta finalidade. Além disso, o Estado calcula uma porcentagem do orçamento da segurança para combater a agressão à mulher. A meta de Morales é facilitar à vítima o acesso à justiça.

Apesar das críticas à reeleição, Evo vem ganhando no quesito apoio à mulher.

As reações de alguns de seus adversários à presidência demonstram que o machismo ainda reina Bolívia. Para Félix Patzi, governador de La Paz e candidato presidencial pelo Partido Terceiro Sistema, a entrada das mulheres na política separou as famílias. Segundo ele, esta seria uma das causas dos feminicídios.

Já Chi Hyun Chung, pastor evangélico de origem sul-coreana e candidato pelo Partido Democrata Cristão, afirmou que Paola Barriga, vice de sua chapa, tem uma “psicologia de dona de casa”. Chi também arremeteu contra outra colega de partido, a deputada Norma Pierola, a quem chamou de “delinquente social”.

600 feminicídios 

Em 2013 foi ampliado para até 30 anos a pena para os crimes contra a mulher. No entanto, essa mudança na legislação não conseguiu frear esta violência. Desde então mais de 600 mulheres foram assassinadas no país.

A maioria dos feminicídios acontece nas regiões rurais e/ou nas de maior pobreza. Cerca de 20% dos casos de violações são cometidos pelos próprios pais ou pelos padrastos das vítimas.

Nas últimas semanas as mulheres lideraram marchas de protestos em La Paz e em Santa Cruz de la Sierra, as principais cidades bolivianas. Já no departamento de Tarija, que fica na fronteira com a Argentina, foi criado o “botão do pânico”, no qual, através do celular, as mulheres vítimas de violência podem pedir apoio imediato à polícia.

Machismo e misoginia

A Conferência Episcopal da Bolívia criticou a lentidão no avanço das leis e manifestou “profunda preocupação em relação aos casos de violência à mulher”. A CEB reitera o aumento dos feminicídios, que “semeiam luto em centenas de famílias”. As autoridades episcopais pediram que as instituições trabalhem contra o machismo e à perda do valor sagrado da vida.

As mulheres reforçam o coro dos que pedem mudanças de comportamento. No entanto, ainda existem homens que mantêm o comportamento machista e até mesmo misógino.

Este ano três bolivianos lançaram uma música com conteúdo sexual, violento e pejorativo à mulher. Choveram críticas e pedidos de ação judicial aos autores da canção. Porém, um deles, através das redes sociais, afirmou que essa é uma expressão artística e que caso queiram censurá-lo estariam indo contra sua liberdade de expressão.

 

Cubanos celebram 500 anos de Havana com eventos culturais e festas pelas ruas

Proposta de eutanásia para quem "está cansado de viver" cria polêmica na Bélgica

Transporte público, bicicleta, cafezinho do próprio bolso: conheça a filosofia finlandesa de respeito ao dinheiro público

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso