rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tunísia : Boca de urna aponta vitória do professor Kais Saied

Plácido Domingo Abuso sexual Estados Unidos

Publicado em • Modificado em

Após acusações de abuso sexual, Plácido Domingo renuncia a apresentações na Ópera de Nova York

media
O tenor espanhol Plácido Domingo é acusado de abuso sexual por vinte mulheres. REUTERS/Shannon Stapleton

A Ópera Metropolitana de Nova York anunciou na terça-feira (24) que o célebre tenor espanhol Plácido Domingo vai deixar de cantar com a companhia devido às denúncias de abuso sexual.


O intérprete de 78 anos, que se apresentou em Nova York pela primeira vez há mais de 50 anos, deveria subir ao palco da Met nesta quarta-feira (25), em uma nova produção de "Macbeth" de Giuseppe Verdi. No entanto, não entrará em cena.

"Plácido Domingo aceitou se retirar de todas as apresentações futuras com a Met", disse a instituição em nota oficial. O comunicado afirma ainda que os dois lados concordaram que o tenor "deveria renunciar".

O artista, que atuou em outros prestigiosos teatros de ópera do mundo, afirmou, também em comunicado, que tinha "pedido para se retirar" da companhia, na qual ingressou aos 27 anos.

"Embora eu refute fortemente as acusações recentes que foram feitas sobre mim e me preocupe com a forma com as pessoas são condenadas sem o devido processo, após refletir, acho que minha aparição nesta produção de 'Macbeth' distrairia a atenção do trabalho árduo dos meus colegas, tanto de palco quanto de bastidores", afirmou o cantor acusado de abuso por vinte mulheres.

A Ópera de Los Angeles contratou um advogado externo para investigar as acusações contra a estrela, da qual era diretor-geral da instituição desde 2003. A investigação ainda está em curso.

Acusações de 20 mulheres

Em uma reportagem de investigação publicada pela agência americana de notícias Associated Press em agosto, nove mulheres afirmaram terem sido sexualmente abusadas por Plácido Domingo desde o fim dos anos 1980. Uma segunda matéria foi publicada em 7 de setembro, afirmando que outras 11 mulheres se apresentavam como vítimas do tenor.

Com a repercussão das denúncias, a Orquestra da Filadélfia e a Ópera de São Francisco anunciaram ter cancelado eventos com Plácido Domingo neste ano. Já a Ópera de Dallas cancelou um concerto previsto para março de 2020.

Vários fãs e colegas defendem o artista. A mezzo-soprano Maria José Suarez, que se apresentou diversas vezes com o tenor, afirma ter visto "mulheres correndo atrás dele" em diferentes circunstâncias. "O que eu sei é que ele é uma boa pessoa, um homem que ama as mulheres, como eu amo os homens. E isso não é um problema", afirmou.

No entanto, na Ópera Metropolitana de Nova York, a reação foi oposta. Vários empregados reclamaram que o tenor permaneceu desempenhando suas funções no local após as acusações. Um dos funcionários chegou a obter um atestado médico para evitar de trabalhar com o espanhol.