rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tunísia : Boca de urna aponta vitória do professor Kais Saied

Gênero Brinquedo Crianças Estados Unidos

Publicado em • Modificado em

Fabricante da Barbie lança boneca sem gênero nos EUA para “promover inclusão e imaginação”

media
Nova linha de bonecas da Mattel não têm gênero e são personalizáveis, de acordo com a vontade da criança. Reprodução/Twitter

Nem menina, nem menino: a Mattel, fabricante das bonescas Barbie, anunciou nesta quarta-feira (25), o lançamento de uma nova gama de bonecas sem gênero. Batizadas de "Creatable World" (mundo criativo), os brinquedos são personalizáveis.


"É uma gama pensada para evitar etiquetas e incluir todo mundo", explica a Mattel em sua conta no Twitter. Segundo a empresa, "no mundo atual, as bonecas devem ser tão ilimitadas quanto as crianças que brincam com elas".

Nos vídeos divulgados pela Mattel, nenhuma das bonecas da nova linha apresenta qualquer elemento sexualmente distintivo, que possa ser associado a meninas ou meninos. É a própria criança que vai escolher se vai querer ou não dar um gênero ao brinquedo, graças aos acessórios: perucas, chapéus, roupas.

Além disso, a empresa também pensou em propor diferentes características, como cores de pele e tipos de cabelo. "Desta forma, todos se sentirão convidados para brincar. A Creatable World é onde deixamos os brinquedos serem brinquedos, para que crianças sejam crianças", explica a Mattel no Twitter. As bonecas serão comercializadas nos Estados Unidos a US$ 29,99 (cerca de R$ 122).

Objetivo é incluir e estimular a imaginação

Em um entrevista ao site da revista Time, o presidente da Mattel, Richard Dickson, justificou o lançamento da linha, descartando que a empresa faça política com seus produtos. "Respeitamos as decisões de cada família sobre suas maneiras de criar seus filhos", afirmou.

Segundo ele, o objetivo da Mattel é promover a inclusão e estimular a imaginação das crianças. "Nossos brinquedos são um suporte para o engajamento em conversas culturais. Mas a conversa é de vocês, não nossa. A opinião é de vocês, não é nossa", salientou.