rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

O quarto debate do partido Democrata americano, realizado na noite de terça-feira (15), teve a participação de 12 pré-candidatos à presidência. O encontro não despertou uma reação muito entusiasmada da plateia, mas serviu para indicar que Elizabeth Warren, senadora pelo estado de Massachusetts, é a preferida, confirmando a percepção geral de que ela deve enfrentar Donald Trump nas urnas em novembro de 2020.

Ligia Hougland, correspondente da RFI em Washington

A primeira eleição interna dos democratas para definir quem vai disputar a Casa Branca será realizada em 3 de fevereiro, em Iowa. Esse é um estado importante, pois, desde 1996, todos os candidatos democratas que venceram em Iowa foram também escolhidos para representar a legenda nas eleições presidenciais.

Nas últimas pesquisas, realizadas antes do debate de terça, Warren já liderava em Iowa, com 22,7% das intenções de voto. Joe Biden, vice-presidente de Barack Obama, ocupava o segundo lugar, com cerca de 19%.

Com o favoritismo, Warren foi o maior alvo de ataque durante o debate. A senadora parecia satisfeita por ser o foco dos outros pré-candidatos, já que isso lhe deu uma oportunidade de se destacar.

Warren foi quem falou por mais tempo durante o debate que durou cerca de três horas. Ela foi seguida, mais uma vez, pelo ex-vice-presidente Joe Biden. No entanto, o vice de Obama, de 76 anos, pareceu muitas vezes confuso e com dicção falha.

Mesmo Bernie Sanders – senador de 78 anos pelo estado de Vermont que também é um dos pré-candidatos preferidos e, recentemente, foi hospitalizado por causa de um enfarte – teve um desempenho mais coerente e empolgado que Biden. Além disso, a decisão dos democratas de ir em frente com o processo de impeachment contra o presidente americano prejudicou o ex-vice-presidente. O caso começou com a divulgação de uma conversa de Trump com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pedindo que as atividades da família Biden no país fossem investigadas, o que acabou por também expor Biden de forma negativa.

À medida que o processo de seleção dos pré-candidatos democratas avança, fica mais evidente que o ponto forte de Biden, que há até poucos meses tinha uma grande vantagem nas pesquisas, é que seu nome é bem conhecido entre os eleitores americanos. Mas quanto mais os outros candidatos ganham destaque, menos vantagem Biden tem. Além disso, até agora Obama não deu nenhum indício de que apoiaria a candidatura do seu vice.

Questões debatidas

Os tópicos mais discutidos durante o debate foram aborto, controle de armas de fogo, Big Tech - os grandes monopólios tecnológicos e, principalmente, as redes sociais - e a situação na Síria. O foco nesses tópicos em vez de na economia e em oportunidades para toda população, além de reforma da saúde, pode ter sido um dos motivos da reação morna da plateia.

Aborto e controle ao acesso a armas de fogo são temas que causam bastante divisão entre os americanos. Portanto, a curto prazo, é improvável que haja alguma mudança significativa nessas áreas. A prioridade dos americanos é uma economia forte, além de acesso a serviços de saúde.

Os candidatos também apresentaram ideias diferentes sobre como lidar com as Big Tech, com Warren dizendo que queria desmantelar esses monopólios e Andrew Yang, o único candidato que é da área de tecnologia, afirmando que isso não resolveria o problema.

Para exemplificar sua posição, Yang argumentou que o fato de a Google ter concorrentes – como, por exemplo, a Bing - não impede seu domínio nas buscas na internet. Kamala Harris, senadora da Califórnia, quis forçar Warren a se posicionar quanto à sua iniciativa de forçar o Twitter a bloquear a conta de Trump, mas a senadora de Massachusetts ignorou o desafio.

Surpreendentemente, tópicos como imigração, mudança climática e China - especialmente em tempos de plena guerra comercial com os Estados Unidos, além de protestos em Hong Kong sendo constantemente destacados pelos noticiários - não foram discutidos durante o debate organizado pela CNN e o New York Times.

Sanders ganha apoio de peso

Durante o evento, Sanders, anunciou que seu comício que será realizado nesse sábado (19), em Nova York, contaria com uma presença especial, sem revelar detalhes. A divulgação surpresa aconteceu ao final do debate, com a imprensa americana noticiando que a participação especial seria da deputada Alexandria Ocásio-Cortez, líder da ala jovem progressista do partido Democrata.

Essa notícia pode atrapalhar os planos da senadora de Massachusetts. Apesar de, à primeira vista, Warren e Sanders parecerem bastante semelhantes, pois são brancos, têm mais de 70 anos, representam a privilegiada região de New England, no nordeste dos Estados Unidos, além de serem simpáticos a ideais socialistas, os dois pré-candidatos também têm diferenças significativas.

Warren promete “consertar” o que está errado na sociedade americana. Sanders promete uma revolução, com a intenção de transformar os Estados Unidos.

Além disso, o senador de Vermont é popular entre os eleitores jovens e conta com mais apoio das minorias. Com o apoio da jovem deputada que é dona de uma voz forte tanto no do partido quanto nas redes sociais, é possível que as pesquisas comecem em breve a mudar a favor de Sanders.

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas