rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Protestos Chile Confrontos

Publicado em • Modificado em

Novos confrontos explodem no Chile após ataques inéditos e estado de emergência

media
Um homem caminha na frente de dois ônibus incendiados após um protesto contra o aumento dos preços das passagens de metrô em Santiago, Chile, 19 de outubro de 2019. REUTERS/Edgard Garrido

Confrontos entre manifestantes e policiais eclodiram mais uma vez neste sábado (19), na aglomeração de Santiago, um dia após o governo chileno declarar "estado de emergência" na capital.


Um concerto de panelas desencadeado por milhares de pessoas em protestos contra o aumento dos preços dos transportes rapidamente se transformou em confrontos entre pessoas mascaradas e forças especiais da polícia e do exército.

Confrontos também foram registrados na Praça da Itália, perto da Casa do Governo e na cidade de Puente Alto, nos subúrbios do sul da capital.

O presidente chileno, Sebastian Pinera, decretou na noite de sexta-feira "estado de emergência" em Santiago após um dia de violência e confrontos nascidos de protestos contra o aumento dos preços do metrô. Os soldados patrulhavam as ruas da capital neste sábado.

Apesar do estado de emergência, milhares de pessoas desceram às ruas de Santiago e outras cidades do Chile para bater panelas, retomando um modo de protesto que apareceu no Chile na década de 1970, após o golpe liderado pelo general Augusto Pinochet, em setembro de 1973.

Milhares de pessoas hostis ao governo de direita também fizeram protestos em grandes cidades como Valparaíso e Viña del Mar, embora nenhuma desordem importante tenha sido relatada.

Dia de fúria

Santiago viveu um dia de fúria na sexta-feira (18) com incêndios, saques e confrontos em protesto contra o aumento do preço do bilhete de metrô, o que levou o governo a declarar o estado de emergência e a colocar o exército encarregado da segurança nacional.

No que foi definido pela prefeita de Santiago, Karla Rubilar, "como um ataque nunca visto antes na cidade", pelo menos 16 ônibus de transporte público foram incendiados e uma dúzia de estações da ferrovia metropolitana, centro de transporte público desta cidade, eles foram completamente destruídos.

A polícia informou pelo menos 180 detidos e 57 policiais feridos. Por volta da meia-noite, o presidente Sebastián Piñera anunciou o "Estado de Emergência" em Santiago e nomeou a Divisão Geral Javier Iturriaga del Campo como chefe da defesa nacional. "O objetivo desse estado de emergência é muito simples, mas muito profundo: garantir a ordem pública e a tranquilidade dos habitantes de Santiago", afirmou o presidente.

Com base no aumento do preço do petróleo, no dólar e na modernização do sistema, o valor do bilhete do metrô de Santiago durante o horário de pico foi de 830 pesos (cerca de US$ 1,17). Desde 2010, não houvia tido aumento nessa faixa. O aumento não afetou as passagens para estudantes e idosos, mas faz parte, no entanto, do aumento geral de 20 pesos nas tarifas decretadas em janeiro passado.

Sem muitos sinais anteriores, exceto alguns protestos estudantis, o governo Piñera - que alguns dias antes havia dito que o Chile era uma espécie de "oásis" na região, devido à sua estabilidade política e econômica, enfrentou o maior dia de protestos em massa em várias décadas.

O estado de emergência acontecerá inicialmente por 15 dias e restringe a liberdade de locomoção. Com base nisso, a Associação Nacional de Futebol suspendeu os campeonatos deste fim de semana. O general Iturriaga disse que as patrulhas militares iriam para os lugares mais conflituosos da cidade - de sete milhões de habitantes -, mas que inicialmente ele não decretaria o toque de recolher. "Não vamos restringir nenhuma liberdade pessoal por enquanto", disse ele.