rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil BRICs Crise financeira Índia OCDE

Publicado em • Modificado em

OCDE prevê crescimento econômico moderado no Brasil

media
A OCDE prevê uma aceleração moderada de sua atividade econômica brasileira. Flickr/ B. Thompson

O Brasil terá uma aceleração moderada de sua atividade econômica. Essa é a constatação do novo relatório divulgado nessa segunda-feira pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). O estudo também prevê uma recuperação dos Estados Unidos, mas alerta para uma possível desaceleração na China e na Índia.


O relatório da organização com sede em Paris se baseia em seu principal Indicador Composto (CLI, na sigla em inglês), que fornece uma medida da atividade econômica futura dos países. Segundo o estudo, depois de uma queda, o índice brasileiro se recuperou nos últimos três meses, passando de 98 pontos em dezembro de 2011 para 99 pontos em abril desse ano.

Estados Unidos e Japão também apresentam sinais de retomada de crescimento, assim como França e Itália na zona do Euro. No entanto, a desaceleração dos indicadores nos últimos meses mostra que essa evolução continuará, mas de forma moderada. Já Alemanha, Canadá e Reino Unido registram uma atividade econômica “ligeiramente abaixo de sua tendência a longo prazo”, analisa a OCDE.

Mas a principal preocupação da organização é com as economias da China e da Índia. De acordo com o relatório, o desenvolvimento de duas das principais potências emergentes mundiais começa a vacilar. Do lado chinês, o CLI caiu de 99,4 para 99,1 pontos em abril, enquanto que os indianos passaram dos 98,2 para 98, ambos abaixo da média de 100 pontos habituais.

Índia preocupa

A situação da Índia, aliás, também chama a atenção das agências internacionais de notação. Em um relatório divulgado nessa segunda-feira, a Standard and Poor's aponta as piores taxas de crescimento trimestral do país nos últimos nove anos e já se questiona se os indianos não serão os primeiros membros dos BRICs (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) a terem suas notas rebaixadas.