rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"A democracia do Brasil está sob ameaça", diz Kleber Mendonça Filho

Por Leticia Constant

A equipe do filme "Aquarius" atraiu todos os holofotes da imprensa internacional na terça-feira (17) no Festival de Cannes, ao realizar um protesto para denunciar o que considera um golpe no Brasil. Nesta quarta-feira (18), em entrevista ao RFI Convida, o diretor do longa-metragem, Kleber Mendonça Filho comentou o manifesto, organizado porque "a democracia no Brasil está sob ameaça".

Segundo o cineasta, o ato, em pleno tapete vermelho, foi pensado por um grupo de brasileiros da área do audiovisual que trabalham no Festival de Cannes, considerando a importância do evento. "Nós achamos que a subida do tapete vermelho seria o momento para, de maneira muito tranquila, muito educada e muito delicada, exibir os cartazes e passar informações sobre o que de fato está acontecendo hoje no país."

No festival, alguns jornalistas brasileiros apontaram semelhanças entre o combate de Clara, a personagem principal de "Aquarius", interpretada pela atriz Sônia Braga, que tem que enfrentar injustiças impostas por um imponente sistema, e a presidente afastada Dilma Rousseff. Para o diretor, o longa-metragem não tinha o objetivo de retratar a saga da chefe de Estado, "mas se o filme expele algo que acontece hoje no Brasil, não é mera coincidência".

Segundo ele, as obras de arte têm o papel de expressar a verdade. "Quando você quer fazer algo que têm origem em incômodos e raivas da sociedade, a tendência é tratar questões que são reais", ressalta.

Sem citar líderes ou partidos, Mendonça Filho elogia o investimento do governo, nos últimos anos, em cultura e educação. "Um governo que não investe nestas áreas não está preocupado com sua própria sociedade", diz. Segundo ele, uma administração que só se preocupa com economia prejudica a população. "O mercado é cruel e toma decisões através de números. O que nós precisamos é de uma sociedade humanizada", conclui.

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Psicóloga brasileira publica na França livro sobre terapia sistêmica individual

“Desigualdade não diminuiu tanto assim nos anos 2000”, diz pesquisador do IPEA

“Maio de 68 foi uma explosão de criatividade, às vezes caótica”, diz Frédéric Pagès

“É um momento de celebração de mulheres em Cannes”, diz a atriz Mariana Ximenes

"Compromisso de ONG Líderes para a Paz é promover soluções pacíficas para conflitos", diz Antonio Patriota

“O Cinema Novo praticamente nasceu em Cannes, em 1964”, conta Cacá Diegues

Psicóloga lança em Paris livro sobre práticas medicinais e cultura de etnia da Amazônia

Regulamentação europeia para proteção de dados pessoais pode ter impacto no Brasil

“De 8.500 brasileiros adotados por franceses, metade pode ter sido de maneira ilegal”, estima especialista

Oxfam: aumento da desigualdade leva à instabilidade política e econômica no Brasil

Em turnê europeia, São Paulo Cia de Dança traz leitura do mundo em seus passos

Brasileira conta invasões à Sorbonne e à Casa do Brasil em Maio de 68

Voos diretos da Air France/KLM vão transformar Fortaleza em hub de conexões, diz governador

Federação sindical mundial lança site para valorizar trabalhadores dos serviços públicos

“Sistemas político e econômico do Brasil não se modernizaram como o judiciário”, diz economista francês