rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Jogos Olímpicos do Rio Comitê Olímpico Internacional (COI) Ilegal Vendas

Publicado em • Modificado em

Presidente do Comitê Olímpico Europeu é preso por revenda ilegal de ingressos

media
Patrick Joseph Hickey AFP

O presidente do Comitê Olímpico Europeu foi preso nesta quarta-feira (17) no Rio por ligação com a revenda ilegal de ingressos para os Jogos Olímpicos, anunciou a polícia civil brasileira.

 


"Os agentes cumpriram uma ordem de busca e captura contra o irlandês Patrick Joseph Hickey, 71, membro do Comitê Olímpico Internacional", informou a polícia em um comunicado. O Comitê Olímpico da Irlanda, do qual Hickey também é diretor, limitou-se a dizer que prefere se informar sobre o caso antes de fazer comentários.

A imprensa brasileira informou que Hickey foi preso em um hotel onde estão hospedados alguns dirigentes olímpicos, na Barra de Tijuca. Ele se sentiu mal durante a prisão e foi levado para um hospital.

A detenção do alto dirigente do COI parece estar vinculada à desarticulação de uma rede internacional de revenda ilegal de ingressos para os Jogos do Rio.

O irlandês Kevin James Mallon, diretor da empresa THG Sports, que tinha autorização para revender entradas dos Jogos de Londres-2012 e Sochi-2014, foi preso em 5 de agosto, no Rio, no dia da cerimônia de abertura dos Jogos, acusado de revenda ilegal de entradas.

"Mallon é um dos diretores da empresa inglesa THG, cujo presidente James Sinton foi preso em 2014 por estar envolvido na 'máfia dos ingressos' para a Copa do Mundo no Brasil", informou a polícia. Uma intérprete da empresa THG também foi detida.

Valores muito altos

A polícia informou ainda que apreendeu 781 entradas comercializadas por valores altíssimos. A THG vendia entradas para a cerimônia de abertura por US$ 8 mil, quando o preço mais caro oficial era de US$ 1.300, explicou o inspetor Ricardo Barbosa em uma coletiva de imprensa.

Mallon foi detido em um hotel da Barra da Tijuca quando vendia ingressos para 20 compradores que também foram conduzidos à delegacia para prestar depoimento.

"A THG vendia lugares particulares para eventos muito procurados, como a final do futebol e as cerimônias de abertura e de encerramento dos Jogos. Essas entradas podem ter um valor enorme. Com esses ingressos, a empresa teria ganhado RS$ 10 milhões", explicou Barbosa.