rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Marion Aubrée:“É exagerado falar de terrorismo religioso no Brasil”

Por Márcia Bechara

A antropóloga Marion Aubrée fala sobre as particularidades, divergências e contradições de novos fenômenos religiosos brasileiros.

O caldeirão étnico-religioso brasileiro é um dos ‘melting pots’ mais diversificados do planeta. O que poderia ser uma guerra de crenças e panteões de culto encontrou, no entanto, sua melhor tradução no sincretismo inter-religioso brasileiro.

Como anda a temperatura desse caldeirão de crenças e cultos no Brasil?Para a antropóloga Marion Aubrée, especialista em religiões da América Latina do Centro de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris (EHESS, na sigla em francês), as religiões de origem afro-brasileira sempre foram objeto de certa discriminação por parte das elites religiosas brasileiras. "Nos últimos 50 anos, elas tinham se beneficiado da dinâmica criada pelos estudos antropológicos, que mostravam toda a riqueza simbólica que elas têm. Apesar dos ataques que estas religiões sofreram nos últimos 20 anos por parte dos evangélicos fundamentalistas - e eu me refiro aos neopentecostais -, elas conquistaram o direito de se expressar publicamente”, explicou a antropóloga, analisando que "apesar da violência deles não ser como a do grupo Estado Islâmico, existe um fundamentalismo comum, que é a eliminação da história para retornar às fontes. No entanto, seria exagerado falar em terrorismo religioso no Brasil, pela carga que essa expressão carrega nesse momento”, explica.

Comentando a queimada de alguns terreiros de umbanda, e lembrando que nem todos os evangélicos são fundamentalistas, como também nem todos os muçulmanos o são também, Marion Aubrée pensa que essa corrente vai contra as religiões afro-brasileiras por outra razão: conquistar o mercado religioso no Brasil.

Mesmo se a antropóloga acredita que o Brasil continua sendo um Estado laico, ela destaca que os evangélicos neopentecostais hoje entraram na política e estão fazendo muitos adeptos.

 

Clique na foto acima para ouvir a entrevista.

 

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'