rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Marion Aubrée:“É exagerado falar de terrorismo religioso no Brasil”

Por Márcia Bechara

A antropóloga Marion Aubrée fala sobre as particularidades, divergências e contradições de novos fenômenos religiosos brasileiros.

O caldeirão étnico-religioso brasileiro é um dos ‘melting pots’ mais diversificados do planeta. O que poderia ser uma guerra de crenças e panteões de culto encontrou, no entanto, sua melhor tradução no sincretismo inter-religioso brasileiro.

Como anda a temperatura desse caldeirão de crenças e cultos no Brasil?Para a antropóloga Marion Aubrée, especialista em religiões da América Latina do Centro de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris (EHESS, na sigla em francês), as religiões de origem afro-brasileira sempre foram objeto de certa discriminação por parte das elites religiosas brasileiras. "Nos últimos 50 anos, elas tinham se beneficiado da dinâmica criada pelos estudos antropológicos, que mostravam toda a riqueza simbólica que elas têm. Apesar dos ataques que estas religiões sofreram nos últimos 20 anos por parte dos evangélicos fundamentalistas - e eu me refiro aos neopentecostais -, elas conquistaram o direito de se expressar publicamente”, explicou a antropóloga, analisando que "apesar da violência deles não ser como a do grupo Estado Islâmico, existe um fundamentalismo comum, que é a eliminação da história para retornar às fontes. No entanto, seria exagerado falar em terrorismo religioso no Brasil, pela carga que essa expressão carrega nesse momento”, explica.

Comentando a queimada de alguns terreiros de umbanda, e lembrando que nem todos os evangélicos são fundamentalistas, como também nem todos os muçulmanos o são também, Marion Aubrée pensa que essa corrente vai contra as religiões afro-brasileiras por outra razão: conquistar o mercado religioso no Brasil.

Mesmo se a antropóloga acredita que o Brasil continua sendo um Estado laico, ela destaca que os evangélicos neopentecostais hoje entraram na política e estão fazendo muitos adeptos.

 

Clique na foto acima para ouvir a entrevista.

 

“Escrever já é uma resistência”, defende poeta Ana Elisa Ribeiro em Paris

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

"Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser

Cláudio Edinger participa da feira Paris Photo com imagens de "Machina Mundi"

“Produzimos 45% de toda a proteína do Brasil sem desmatar”, diz governador do Mato Grosso na China

“Villa-Lobos leva o europeu a se interessar por outros compositores brasileiros”, diz Paulo Meirelles

Brasília se cala sobre a responsabilidade da Samarco na tragédia de Mariana, diz promotor

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

“Nunca morreram tantas pessoas assassinadas no Brasil”, diz pesquisador

Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"

“Não existe salvador da pátria”, afirma prefeito do PSDB em visita a Paris