rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Bolívia Brasil Chapecoense Colômbia Tragédia

Publicado em • Modificado em

Brasil, Bolívia e Colômbia vão investigar juntos tragédia da Chapecoense

media
Foto de arquivo de um Avro RJ85 operado por Lamia como o que transportava a equipe de futebol brasileira Chapecoense. REUTERS/Matt Varley NO ARCHIVES

Uma comissão de promotores de Brasil, Bolívia e Colômbia investigará, a partir de quarta-feira (7), o acidente, em Medellín, com o avião da Lamia, que deixou 71 mortos, incluindo jogadores da Chapacoense, informou a procuradoria-geral boliviana nesta terça-feira.


A comissão de seis promotores efetuará um "trabalho conjunto, coordenado (..) para chegar à verdade histórica dos fatos, os antecedentes e o fato mesmo do acidente aéreo", declarou o procurador-geral boliviano, Ramiro Guerrero. A procuradoria boliviana já iniciou em Santa Cruz (leste do país) diligências judiciais em diferentes organismos "para em seguida tomar depoimentos".

Um grupo de promotores revistou o escritório da AASANA (Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea), que era ocupado pela funcionária Celia Castedo, que supostamente fez observações sobre o voo acidentado da Lamia e busca refúgio no Brasil. Castedo é a única processada pelo voo irregular da aeronave.

Falta de combustível pode ter provocado queda

Os escritórios da Lamia também foram revistados em operação similar em Santa Cruz. O governo boliviano encontrou indícios de irregularidades no funcionamento e nas operações do avião da Lamia, segundo o ministro de Obras Públicas e Serviços, Milton Claros. Como primeira medida, destituiu altos funcionários aeronáuticos e abriu processo contra a técnica Castedo, que deu luz verde ao voo.

Uma das principais hipóteses é que o avião caiu no solo porque ficou sem combustível pouco antes de chegar ao aeroporto de Rionegro, que atende a Medellín. A Lamia informou na Bolívia que a aeronave, um BA-146 modelo RJ85, deveria ter sido reabastecido na cidade boliviana de Cobija, no norte do país, na fronteira com o Brasil, antes de prosseguir viagem para a Colômbia.