rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Caso Renan Calheiros gera crise entre STF e Senado

Por RFI

Os ministros do Supremo Tribunal Federal vão decidir hoje se o presidente do Senado, Renan Calheiros, deve ser afastado do cargo.

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia, tem pressa em resolver o impasse. O assunto gerou uma crise institucional entre os Poderes Judiciário e Legislativo depois que a mesa diretora do Senado Federal, que reúne as principais autoridades da casa, se recusou a cumprir a decisão do ministro do Supremo Marco Aurélio Mello para afastar Renan da Presidência do Senado.

A mesa informou que vai aguardar deliberação do Supremo hoje e abrir prazo para que Renan apresente defesa. Para os dirigentes do Senado, a decisão do ministro Marco Aurélio impacta gravemente o funcionamento das atividades legislativas. A decisão da Mesa também foi assinada pelo primeiro-vice-presidente da Casa, Jorge Viana, do PT. A reação inusitada do Senado mostra a força de Renan Calheiros, que ocupa pela quarta vez a Presidência do Senado.

Para alguns especialistas e políticos, há o descumprimento, sim, da decisão proferida pelo ministro. Para outros, o STF e o Senado tomaram decisões diferentes com base na independência entre os Poderes. Essa discussão gerou incertezas em Brasília e a presidente do STF, Carmen Lucia, passou o dia de ontem articulando com ministros e políticos para tentar apaziguar os ânimos. Ela recebeu telefonema, por exemplo, do senador Aécio Neves, do PSDB, que pediu que a corte decida o caso ainda hoje.

Ministros vão decidir de uma vez se, por ser um réu em ação penal, Renan pode ou não ocupar a Presidência do Senado e, assim, estar na linha de sucessão do presidente da República. A tendência que é a corte afaste Renan do cargo. Mas ainda existe a possibilidade de se abrir uma discussão para que Renan continue à frente do Senado, mas seja impedido de assumir o Palácio do Planalto, caso surja essa oportunidade.

Em petição enviada ao STF, a advocacia do Senado pediu a anulação do processo que analisa se réu em ação penal pode estar na linha sucessória da Presidência. O argumento é que o Senado não foi ouvido no caso, ao contrário do então presidente da Câmara Eduardo Cunha. Em julgamento no mês passado, a maioria dos ministros entendeu que o afastamento do cargo é necessário. Este julgamento não terminou porque o ministro Dias Toffoli pediu mais tempo para analisar o caso.

Trabalhos estão paralisados

Estão, sim, o plenário ficou vazio e até a confraternização de Natal de senadores, que ocorreria ontem na residência oficial do presidente do Senado, foi cancelada. A maior preocupação do governo é que o imbróglio acabe adiando a votação do segundo turno da PEC que limita os gastos públicos, prevista para semana que vem. O presidente Michel Temer se reuniu com Renan Calheiros e reafirmou o interesse em manter o calendário da votação.

Além de articular com a mesa diretora, Renan entrou com recursos no Supremo pedindo a reconsideração da decisão do ministro Marco Aurélio. Para o senador, a decisão causa enormes prejuízos ao equilíbrio institucional e político da República. Renan também saiu atirando publicamente críticas contra Marco Aurélio e disse que a democracia não merece esse fim, a nove dias do término das sessões do Senado este ano.

 

Manifestação na Argentina pede fim da imunidade parlamentar de Cristina Kirchner

Após violências em Roraima, Brasil reforça segurança na fronteira com a Venezuela

Proibição do véu islâmico integral gera onda de protestos na Dinamarca

Destino preferido dos brasileiros na Europa, Portugal vive bolha imobiliária

Evo Morales inaugura nova sede de governo criticada pelo custo milionário

Itália: estudo mostra que população tem ideias equivocadas sobre imigrantes

Incêndios na Suécia atingem área equivalente a 35.700 campos de futebol