rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Thomas Coutrot: "Reforma da aposentadoria no Brasil é questionável"

Thomas Coutrot é economista e chefe do departamento de Condições de Trabalho e Saúde do Ministério do Trabalho da França. Ele comenta nesta entrevista a proposta de reforma da aposentadoria no Brasil, enviada ao Congresso Nacional para ser aprovada. O texto estabelece a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem, com um tempo mínimo de contribuição de 25 anos. As novas regras vão valer para homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45.

Comparando com outros países, será que o Brasil começou muito tarde essa reforma? "Sua pergunta parte do pressuposto de que esta reforma seria justificada, seria necessária, o que é muito questionável. Na verdade, todas as reformas da aposentadoria que tiveram lugar no mundo inteiro, na Europa, principalmente nos últimos anos, tiveram o mesmo objetivo: reduzir os custos salariais porque a Previdência é financiada através de encargos sociais. Hoje em dia, o próprio FMI e a OCDE (Organização Para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) dizem que a questão da redução da massa de salários foi longe demais, houve um aumento muito grande das desigualdades sociais e agora isto cria dificuldade para o próprio crescimento econômico", diz o especialista.

Coutrot pensa que hoje as instituições financeiras internacionais não pregam mais a redução dos gastos sociais porque se deram conta de que muitos países estão inibindo o crescimento econômico através da redução destes gastos com aposentadoria ou investimentos públicos. "Eu diria que o Brasil está fazendo essa reforma quando muitos paises estão se dando conta de que reduzir os gastos sociais, reduzir a massa dos salários, não é uma política que dará frutos no futuro", observa.

Para o economista, não são os gastos que estão aumentando, mas os recursos públicos que estão diminuindo. Ele também explica que as pessoas com mais de 60 anos, na França, dificilmente acompanham o ritmo do trabalho e acabam tendo que se aposentar antes do tempo por problemas de saúde, pois o corpo não consegue continuar a atividade com a mesma energia de antes. "Não conseguem ficar no emprego até 65 anos. Quando o trabalho fica mais duro, é muito difícil obter resultados", observa o economista.

 

 

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista