rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Brasileiro usa Jiu-Jitsu para aproximar árabes e judeus em Israel

Por Daniela Kresch

Um sociólogo carioca se dedica a aproximar judeus e árabes em Israel através do Jiu-Jitsu brasileiro. Ele já tem dezenas de alunos que praticam a arte marcial em Jerusalém.

Correspondente da RFI em Israel

Marcos Gorinstein, 37 anos, deixou para trás um trabalho confortável e a praia de Tel Aviv para seguir seu sonho de trabalhar em prol da paz em Jerusalém – cidade onde 40% dos moradores são árabes e 60%, judeus. Em 2014, ele criou o projeto “Árvore da vida – nos recusamos a ser inimigos”, que tem como objetivo fazer com que alunos dos dois lados aprendam a conviver através de uma atividade em comum.

Quando chegou em Israel, em 2010, Marcos já tinha o sonho de lidar com o conflito entre árabes e judeus na região, mas não imaginava que seria por meio das artes marciais. “Eu vim para cá com o objetivo de trabalhar em algum trabalho sobre a questão do conflito palestino-israelense”, diz o carioca. “Chegando em Jerusalém, eu disse: ‘sou professor de Jiu-Jitsu, então vou usar essa arte marcial como ferramenta para poder criar contato entre judeus e palestinos’”

Marcos Gorinstein é faixa preta pela Academia Gracie da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde estudou com o mestre Vinicius Aieta, o Vini. Para ele, o Jiu-Jitsu é o esporte perfeito para quebrar o gelo entre inimigos, no caso crianças judias e árabes, que enfrentam um ambiente de desconfiança mútua. “Muitas vezes, quando a gente tenta o contato entre povos inimigos, esse contato é feito verbalmente, as pessoas conversam, as pessoas trocam olhares. Já o Jiu-Jitsu tem o toque. A gente toca o tempo todo, está junto o tempo todo. É uma luta com contato total do corpo”, explica Marcos. “O Jiu Jitsu tem essa capacidade de a gente elevar a relação para o contato físico, o que é um lado muito positivo da prática. Além disso, é um esporte que faz com que a gente, o tempo todo, aprenda os nossos limites e os limites dos que estão treinando conosco”.

Atualmente, Marcos tem mais de 40 alunos, principalmente estudantes do colégio “Yad BeYad”, ou “De mãos dadas”, em Jerusalém, uma escola mista de árabes e judeus que faz um trabalho de convivência exemplar. Mas seu esforço já está sendo reconhecido e ele pretende montar uma academia própria onde poderá concentrar todas as turmas, de crianças e adultos.

Poucas crianças judias vão até Jerusalém Oriental

A ideia é promover a coexistência por meio do esporte para outras áreas de Jerusalém e arredores, incluindo a Cisjordânia. Porém, há obstáculos no caminho, principalmente por parte das famílias dos dois lados, que nem sempre aprovam que seus filhos lutem juntos o Jiu-Jitsu. “A questão principal que a gente enfrenta aqui é um preconceito. Porque as pessoas não conhecem quem está do outro lado. Há fronteiras muito invisíveis que a gente não passa por elas”, conta Marcos. “É muito raro você ver crianças judias indo a Jerusalém Oriental. É praticamente zero o número de crianças judias que fazem isso, por conta de medo dos pais, por conta da realidade em que a gente vive. Então a ideia é buscar, através de colégios, através de instituições que trabalham com jovens, a criação de turmas para que a gente possa quebrar essas fronteiras e que as crianças passem a conhecer uns aos outros através da prática do Jiu-Jitsu”.

Muitos alunos do sociólogo carioca não pagam mensalidade integral por falta de condições e Marcos busca, agora, parceiros institucionais que ajudem a completar o valor para que nenhuma criança deixe de competir. O sonho do brasileiros é que seus alunos, tanto árabes quanto judeus, se tornem instrutores de Jiu-Jitsu e, como ele, se dediquem à promoção da paz na Terra Santa.

 

Na Alemanha, ator brasileiro luta para combater estereótipos de negros em cena

Artistas latinos vivem imersão nos Emirados Árabes para participar da Art Dubai

Médico brasileiro faz transplante de pulmão na esposa do presidente de Israel

Estilista do Ceará é 1° brasileiro escolhido em concurso de jovens talentos na Fashion Week de Londres

Brasileiros que vivem no Reino Unido com passaporte europeu também precisam se adequar ao Brexit

Brasileira fez parte da primeira formação de consultores do método Marie Kondo

Equipe de jornalistas brasileiros dribla censura e filma na Arábia Saudita

Soprano paraense começou tarde carreira lírica, mas hoje canta na Ópera Estatal de Berlim

Instituto Camões aposta em parceria com Brasil para promoção da língua portuguesa

Brasileira que trabalhou com família real britânica conta bastidores e gafes com a rainha

Único terreiro de candomblé na Alemanha só pode fazer seis rituais por ano

Artista brasileiro expõe na Itália obras de seu ateliê com portadores de deficiência