rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • EUA: tiroteio deixa três mortos em supermercado em Oklahoma
RFI CONVIDA
rss itunes

"A cor deixou de ser o principal em atores negros no Brasil", diz historiador

Por Augusto Pinheiro

O historiador Alberto da Silva, professor de história contemporânea brasileira na Universidade Sorbonne, em Paris, ministra, em francês, o ciclo de conferências "História do Brasil Através do Cinema" no instituto cultural franco-brasileiro Alter Brasilis, na capital francesa.

A primeira conferência aconteceu no dia 6 e focou no tema da colonização portuguesa e do processo de independência do Brasil, com a projeção de "Carlota Joaquina, Princesa do Brasil", de Carla Camuratti. Nesta sexta-feira (13), ele fala sobre a influência africana na cultura brasileira, a partir do filme "Xica da Silva", de Cacá Diegues, que se passa no período da escravidão.

"O fime nos dá a possibilidade de tratar a trama, mas igualmente o contexto da produção. Então, por exemplo, em 'Xica da Silva', que foi produzido nos anos 1970, em plena ditadura, fala sobre escravidão, mas também é importante do ponto de vista cinematográfico. É interessante também perceber a evolução da representação do negro do cinema, desse período até 2016."

Segundo ele, a partir do final dos anos 1990, surgiram grandes atores negros, como Lázaro Ramos, que ocupam papéis importantes. "O fato de ser negro não é a mais a característica principal dos personagens que interpretam. Então se abriu uma possibilidade no cinema e também na TV para outras representações do negro na sociedade brasileira", analisa.

Ele compara, por exemplo, com a situação de Zezé Motta após "Xica da Silva". "Ela teve dificuldade de encontrar papéis a sua altura na TV. Então dessa época até hoje, vimos uma grande evolução."

No dia 4 de fevereiro, a última conferência tratará das contradições regionais no Brasil, com o filme "Deus e Diabo na Terra do Sol", de Glauber Rocha. As incrições podem ser feitas no site do Instituto Alter Brasilis.

Alberto da Silva também é autor e prepara um livro sobre o cinema pernambucano. Ele já publicou, em francês e português, "Gênero e Ditadura no Cinema Brasileiro – Os Filmes de Ana Carolina e Arnaldo Jabor", resultado da sua tese de doutorado na Universidade Federal de Pernambuco. Ele também é doutor em civilização brasileira pela Sorbonne.

Governo ataca liberdade de expressão no Brasil e o povo não se dá conta, diz Leandro Demori, do Intercept

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

"Quero viver de arte", diz jovem pintora maranhense que expôs na França

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato