rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza

Assassinato Natal presídio Decapitação PCC Confrontos Rio Grande do Norte

Publicado em • Modificado em

Confronto entre facções deixa ao menos 10 mortos em presídio do RN

media
Internos invadiram pavilhões onde rivais estão presos Divulgação

Pelo menos dez presos foram assassinados durante confronto entre facções criminosas na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no município de Nísia Floresta, na região metropolitana de Natal, capital do Rio Grande do Norte.


A rebelião começou na tarde do sábado (14), e não há registro de fugas ou reféns. A matança acontece apenas alguns dias após o brutal assassinato de cerca de 100 presos em Manaus e Roraima.

No início da noite, a Coape (Coordenação de Administração Penitenciária) havia confirmado a decapitação de três presos a partir de imagens divulgadas pela polícia, nas quais são vistas três cabeças que foram jogadas na área externa da unidade prisional. Os presos mortos ainda não foram identificados.

Segundo o governo do Rio Grande do Norte (RN), a rebelião começou por volta das 17h, quando presos do pavilhão 5 invadiram o pavilhão 4 para matar rivais. O Bope (Batalhão de Operações Especiais) está no local tentando controlar a situação. A rebelião não atingiu os pavilhões 1, 2 e 3.

"Deu para ver que os presos jogaram três cabeças para fora dos pavilhões, mas a polícia ainda não conseguiu entrar na unidade prisional", disse o coordenador de administração penitenciária do Rio Grande do Norte, Zemilton Silva.

Silva informou ainda que a área externa de Alcaçuz está controlada por Policiais Militares e agentes penitenciários, porém as forças de segurança estão tentando avançar para área interna do presídio, o que só deverá acontecer no início do dia.

Falta de visibilidade

O Gabinete de Gestão Integrada, que reúne o governador do Estado e autoridades policiais, avalia que a falta de visibilidade durante a noite poderia pôr em risco a operação, apesar do presídio estar todo cercado de policiais para evitar fugas.

"Há muito barulho de gritos de brigas lá dentro e não se sabe a situação dos presos, se tem mais de três mortos ou feridos. Por enquanto, o Corpo de Bombeiros está aqui com ambulâncias para fazer o socorro, mas como ninguém consegue entrar não tem como saber se há mais mortos ou feridos", destacou.

"O governador Robinson Faria entrou em contato com ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para que o Governo Federal acompanhe a situação do Estado, e pediu reforço da Força Nacional no lado externo do presídio, o que foi autorizado prontamente", informou em nota o governo do RN.

Maior presídio do Estado, Alcaçuz está superlotado. Com capacidade para 620 internos, conta atualmente com cerca de 1.200 presos. A penitenciária custodia presos das facções criminosas Sindicato do Crime do RN e PCC (Primeiro Comando da Capital).