rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Soprano brasileira Camila Titinger disputa concurso de ópera em Paris

Por Patricia Moribe

Ela tem 27 anos e acabou de viver a condessa Almaviva, em produção de As Bodas de Fígaro, em Toulon, sul da França. Nesta sexta-feira (20), a soprano brasileira Camila Titinger disputa o Mozart da Ópera, prêmio francês para incentivar novas vozes do mundo lírico internacional.

Camila vai cantar “Je dis que rien ne m’épouvante", ária da personagem Micaela, da ópera Carmen, de Bizet. “É um grande desafio, pois vou cantar em francês”, diz a artista. Ela concorre ao Mozart de l’Opéra junto com oito cantores (tenores, mezzo-sopranos, um barítono, um baixo e mais uma soprano), de vários países: Reino Unido, Austrália, França, Estados Unidos, Irlanda, Polônia e Noruega.

A soprano brinca que a carreira começou cedo, já na barriga da mãe pianista. “Cantar nunca foi obrigatório, mas algo que eu buscava para a minha vida”, diz Camila, acrescentando que sua mãe sempre se preocupou com que ela tivesse os melhores profissionais para encaminhá-la. “E de forma saudável”, diz.

Com Padre Marcelo, ela cantou para mais de dois milhões

No final da adolescência surgiu a vontade de se aprofundar no canto lírico, que também virou seu caminho acadêmico. Em 2013, ela venceu o concurso internacional Maria Callas, em São Paulo. Da sua segunda participação, em 2015, vieram os contatos internacionais até chegar o convite para fazer a condessa Almaviva, em “As Bodas de Figaro”, de Puccini, montada em Toulon, no sul da França, em dezembro e janeiro. Em setembro do ano passado ela participou de um festival em Bregenz, na Alemanha, onde cantou a ária de Ofélia, da ópera Amleto (Hamlet), de Franco Faccio. Agora é a vez de Paris.

Aos dez anos, em 2000, Camila Titinger gravou um CD e se apresentou ao vivo com o Padre Marcelo. “Foi uma experiência incrível, que me fez ter essa proximidade com o palco, teve uma vez um público de 2,5 milhões de pessoas, minha maior audiência até hoje. Antes, trabalhei dois anos no programa Gente Inocente, da Rede Globo, que também me fez frequentar palcos diferentes. Hoje eu vejo o quanto esse caminho me ajudou a construir a artista que sou hoje”, conta a soprano.

Para assistir à entrevista completa, clique na foto abaixo:

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura