rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

China Brasil Eletricidade

Publicado em • Modificado em

Estatal chinesa compra gigante brasileira de eletricidade CPFL por R$ 14 bilhões

media
Técnicos em uma sala de controle em uma estação de carregamento de baterias de veículos State Grid, em Pequim, em 30 de maio de 2012. AFP PHOTO / Ed Jones Ed Jones / AFP

O grupo estatal chinês State Grid fechou um acordo para comprar 54,64% da gigante brasileira de eletricidade CPFL Energia por 14,19 bilhões de reais (US$ 4,5 bilhões), o que consolidará sua presença no mercado sul-americano, anunciaram nesta terça-feira (24) as duas empresas em comunicados diferentes.


O administrador da rede de eletricidade chinesa busca ampliar suas atividades no Brasil, onde já possui uma rede de transmissão de energia de 10.000 km, indicou o informe. A State Grid entrou no mercado brasileiro em 2010 e sua filial brasileira venceu em abril do ano passado uma concorrência para duas novas redes.
A companhia pagará R$ 25,51 por ação da brasileira.

Com essa aquisição, State Grid pretende ampliar consideravelmente a sua cobertura no mercado brasileiro nos setores de "transmissão e distribuição" e, sobretudo, na geração de eletricidade a partir de energias renováveis, segundo o comunicado da companhia chinesa.

Energia limpa

A CPFL Energia é a principal produtora não estatal de eletricidade do Brasil e já concentra suas atividades na produção de energias alternativas. A companhia distribui por meio de sua rede cerca de 70 bilhões de kilowatts por ano e possui uma fatia de 14,3% do mercado brasileiro, de acordo com dados fornecidos por State Grid.

Segundo a companhia chinesa, a CPFL "tem investido ativamente no mercado de energia elétrica brasileiro, tendo adquirido um total de 14 linhas de transmissão de energia, que fornecem eletricidade para os estados brasileiros de São Paulo e Rio de Janeiro". A State Grid observou que pretende desenvolver no Brasil principalmente suas técnicas de produção de energias limpas, mas sem fornecer maiores detalhes.

O gigante chinês já fechou acordos com vários países do mundo para expandir suas operações no exterior. Em meados de dezembro anunciou a aquisição de 24% da ADMIE, a operadora de eletricidade grega.
No entanto, sofreu um revés na Austrália, quando Camberra recusou, em nome da segurança nacional, a sua oferta para assumir o controle de uma rede elétrica, na sequência de uma polêmica sobre os investimentos estrangeiros no país.

Investimentos gigantes da China no exterior

A China está investindo quantias recordes em energias renováveis (hídrica, eólica, solar, biomassa, geotérmica) - atingindo cerca de US$ 105 bilhões em 2015, de acordo com dados da ONU - ainda que a maior parte de sua energia seja proveniente atualmente da queima de carvão.

Na China, a mega-empresa pública distribui eletricidade através de filiais implantadas na maioria das províncias do país, fornecendo eletricidade para cerca de 1 bilhão de pessoas.

As companhias chinesas estão mais atuantes do que no nunca no exterior. Em 2016, foram 30 bilhões de euros injetados em projetos de infraestruturas de energias renováveis ou compra de participação em empresas, segundo o instituto de estudos energéticos IEEFA.