rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Rodrigo Maia deve continuar na presidência da Câmara

Por RFI

O mês de fevereiro começou agitado em Brasília, onde o Congresso e o Supremo Tribunal Federal retomaram os trabalhos. Nesta quinta-feira (2), será a vez da Câmara dos Deputados eleger seu presidente.

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília

Seis deputados querem ocupar a cadeira mais cobiçada do plenário. Aliado ao governo de Michel Temer, o atual presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, do DEM, é um dos favoritos. Ele correu o risco de ficar de fora da disputa depois que quatro candidatos apelaram ao Supremo Tribunal Federal alegando que a reeleição ao cargo é proibida.

Mas o ministro Celso de Mello negou o pedido ontem à noite e abriu prazo de dez dias para que Rodrigo Maia entregue sua defesa. Também governista, o deputado Rogério Rosso, do PSD, desistiu de última hora da candidatura depois da decisão do tribunal. Ele disse que o motivo foi a busca do consenso e da governabilidade. Já o candidato Jovair Arantes, do PTB, disse em entrevista à RFI que sua prioridade é retomar a credibilidade da casa.

"Este é o pior momento da Câmara desde a redemocratização. Nossa proposta é atuar firmemente nesse resgate que é importante para a sociedade brasileira. Cabe ao presidente da Câmara absoluta isenção no tratamento da condução da casa, harmonia entre os poderes e que esse respeito seja mútuo e a sociedade possa enteder essa interlocução entre os três poderes como positiva", declarou.

Em nome da oposição, o deputado André Figueiredo, do PDT, disse que a Câmara precisa de independência. "A nossa proposta é fazer com que o parlamento exerça seu papel constitucional e não seja um instrumento de chantagem ou subserviência." Júlio Delgado, do PSB, afirmou que, se eleito, dará prioridade a projetos de iniciativa dos deputados em relação aos do governo federal. "Os projetos do governo não vão se interpor aos interesses da sociedade."

Consolidando a voz da oposição, a deputada Luiza Erundina, do Psol, como em eleições anteriores, também sairá candidata. Ela é deputada federal desde 1999. De última hora, o deputado Jair Bolsonaro, do PSC, também resolveu entrar na disputa. Exatamente, como esperado, o senador Eunício Oliveira vai comandar o Senado pelos próximos dois anos. Há mais de uma década o PMDB está à frente da casa, por ser historicamente o partido com o maior número de senadores.

O porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, disse que o presidente Michel Temer transmite os cumprimentos a Eunício Oliveira e que Temer espera avançar nas reformas propostas pelo governo para garantir o crescimento do país. Eunício, que é citado na operação Lava Jato, afirmou que o Senado vai lutar contra a corrupção, mas que será firme se um dos Poderes se levantar contra o Legislativo.

Lava Jato

O novo relator do caso seja definido nesta quinta-feira. A decisão era esperada ontem, mas foi adiada porque a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, queria conversar com todos os ministros da Primeira Turma antes de decidir se o ministro Edson Fachin poderia assumir o lugar de Teori Zavaski na Segunda Turma, que analisa o processo da Lava Jato. O sorteio do novo relator será realizado de forma eletrônica.
 

Manifestação na Argentina pede fim da imunidade parlamentar de Cristina Kirchner

Após violências em Roraima, Brasil reforça segurança na fronteira com a Venezuela

Proibição do véu islâmico integral gera onda de protestos na Dinamarca

Destino preferido dos brasileiros na Europa, Portugal vive bolha imobiliária

Evo Morales inaugura nova sede de governo criticada pelo custo milionário

Itália: estudo mostra que população tem ideias equivocadas sobre imigrantes

Incêndios na Suécia atingem área equivalente a 35.700 campos de futebol