rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Domício Proença Filho, sobre Capitu: “É muito difícil ser mulher”

Por Silvano Mendes

O presidente da Academia Brasileira de Letras, Domício Proença Filho, está de passagem pela França para o Salão do Livro de Paris, de 24 a 27 de março. Autor de mais de 60 livros, ele apresenta a edição em francês de “Capitu: memórias póstumas” e participa de eventos paralelos sobre a obra de Machado de Assis.

Domício Proença Filho parece ter nascido para escrever. A tal ponto que seus colegas de escola, aos 12 anos de idade, diziam que ele iria acabar na Academia Brasileira de Letras. O que era apenas uma piada se tornou realidade e ele não apenas virou “imortal” em 2006, como também se tornou, em 2015, presidente da instituição.

Mas apesar de sua longa e invejável carreira de professor de literatura, pesquisador e autor de mais de 60 livros – entre eles alguns dedicados à gramática, que ajudaram gerações inteiras a aprender português –, ao ser escolhido para dirigir a Academia, muito se falou sobre o fato dele ser o segundo autor afrodescendente eleito ao cargo. O primeiro foi Machado de Assis, um dos fundadores da entidade, em 1897.

Questionado sobre o assunto, o imortal lembra que durante muito tempo o Brasil teve apenas uma literatura “sobre o negro”, antes de ter uma literatura “do negro”. “Mas muitos dos representantes da etnia começaram a assumir o próprio discurso caracterizador de uma identidade cultural dentro de uma perspectiva multicultural dominante”, principalmente desde os anos 1970. “Isso vem sendo feito gradativamente. Já existe uma poesia e uma prosa significativa a esse respeito e isso tende a crescer”, comenta.

Capitu em francês ganha contornos feministas

O Salão do Livro de Paris coincide com o lançamento na França, pela editora Envolume, de “Capitu: memórias póstumas”. No livro, publicado no Brasil em 1998, o autor conta a história de "Dom Casmurro" do ponto de vista da personagem Capitu, famosa por seus “olhos de cigana oblíqua e dissimulada”. “É muito difícil ser mulher e assumir o discurso feminino”, analisa o escritor. “Eu me arrisquei a tomar uma personagem consagrada, que faz parte do imaginário brasileiro e dar a palavra a ela”, conta, lembrando que a ideia nasceu junto com a primeira leitura do livro, aos 15 anos. “Me apaixonei por ela, como todo adolescente do meu tempo”, relembra.

Mas o que Proença Filho não imaginava é que esse projeto iria ser interpretado como uma espécie de manifesto feminista. Em várias ocasiões durante a apresentação do livro na França, a obra foi elogiada por dar voz à personagem, emblemática mas ofuscada no livro de Machado de Assis.

Ouça a entrevista clicando na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

 

 

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Psicóloga brasileira publica na França livro sobre terapia sistêmica individual

“Desigualdade não diminuiu tanto assim nos anos 2000”, diz pesquisador do IPEA

“Maio de 68 foi uma explosão de criatividade, às vezes caótica”, diz Frédéric Pagès

“É um momento de celebração de mulheres em Cannes”, diz a atriz Mariana Ximenes

"Compromisso de ONG Líderes para a Paz é promover soluções pacíficas para conflitos", diz Antonio Patriota

“O Cinema Novo praticamente nasceu em Cannes, em 1964”, conta Cacá Diegues

Psicóloga lança em Paris livro sobre práticas medicinais e cultura de etnia da Amazônia

Regulamentação europeia para proteção de dados pessoais pode ter impacto no Brasil

“De 8.500 brasileiros adotados por franceses, metade pode ter sido de maneira ilegal”, estima especialista

Oxfam: aumento da desigualdade leva à instabilidade política e econômica no Brasil

Em turnê europeia, São Paulo Cia de Dança traz leitura do mundo em seus passos

Brasileira conta invasões à Sorbonne e à Casa do Brasil em Maio de 68

Voos diretos da Air France/KLM vão transformar Fortaleza em hub de conexões, diz governador

Federação sindical mundial lança site para valorizar trabalhadores dos serviços públicos

“Sistemas político e econômico do Brasil não se modernizaram como o judiciário”, diz economista francês