rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

Por Mauricio Assumpção

Ganhador do prêmio Jabuti duas vezes, Bernardo Carvalho lançou no ano passado o seu décimo-primeiro romance, Simpatia pelo demônio, pela Companhia das Letras. De passagem por Paris, o escritor falou exclusivamente para a RFI Brasil sobre o papel da literatura na sociedade, os seus novos projetos e a situação política no Brasil.

Escritor, jornalista e articulista, Bernardo Carvalho, 56 anos, lançou o seu primeiro romance, Onze, em 1995, depois de ter publicado uma coletânea de contos, Aberração, dois anos antes. Em 2004, ganhou o prêmio Jabuti, o mais importante prêmio da literatura brasileira, com o seu oitavo livro, Mongólia. Dez anos depois, repetiu o feito, recebendo o Jabuti pelo romance Reprodução.

O livro Simpatia pelo demônio, sua obra mais recente, conta a história de um brasileiro que, trabalhando para uma agência humanitária internacional, é enviado para uma zona de conflito, onde deverá pagar o resgate de um refém de um grupo extremista islâmico. Enquanto espera pelo contato com os terroristas, o brasileiro se lembra em flashbacks da relação amorosa que, em plena crise da meia-idade, manteve com um estudante mexicano, desestabilizando toda a sua vida.

“A literatura que importa, a literatura que me agrada, é a literatura de dissenso. Dissenso radical”, explica Carvalho. “Não se trata de dissenso político contra um partido no poder. É a literatura com uma singularidade que vem atrapalhar os consensos, que vem perturbar as ideias consensuais em estética, em arte, em literatura, em política. É a ideia de uma voz que seja perturbadora da domesticação do consenso, em nome da inteligência, em nome da verdade”.

Com alguns personagens estrangeiros e tramas que se passam no exterior, a obra de Bernardo Carvalho investiga a condição humana indo muito além das fronteiras da literatura nacional.

“A realidade brasileira contesta, contradiz toda a vontade que se pode ter de identificação com a nação. Como é que você pode se identificar com uma nação que te dá tão pouco, que não te dá educação, não te dá saúde, não te dá trabalho, não te dá garantias básicas de sobrevivência. (...) A vontade de acreditar numa identidade nacional no Brasil demanda uma espécie de cegueira muito grande, uma teimosia muito grande”.

Depois de Simpatia pelo demônio, Carvalho aproveitou um período de descanso em Portugal para dar início a um novo projeto, no qual retoma alguns temas de Nove Noites, um dos seus romances mais bem-sucedidos.

“No Brasil, quando eu acordava pela manhã, eu lia o jornal, tinha um ataque de nervos, e isso estragava o meu dia. Não conseguia mais escrever, ficava totalmente disperso, distraído”, disse, quando perguntado sobre a atual crise política no Brasil. “A questão da verdade não importa mais. São campos de força lutando entre si para se estabelecer no poder ou para escapar da justiça. (...) Essa polarização (política) tem mais a ver com uma espécie de guerra, estratégica, retórica, do que com a inteligência e a verdade”, concluiu.

 

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto

Fotógrafa francesa Charlotte Dafol expõe em Paris imagens de ocupações brasileiras

“Atualmente, a França me dá mais perspectivas que o Brasil”, diz cantora Camila Costa que lança CD em Paris

"Trump colocará na conta dos democratas tudo o que não conseguir fazer", diz ex-correspondente do NYT no Brasil

"Governo brasileiro precisa facilitar exportação para pequenos empresários", afirma designer de joias

Grupo franco-brasileiro Bel Air de Forró é finalista em concurso internacional

"Brasil caminha muito mais para o isolamento do que para uma relação integrada com a comunidade internacional," diz cientista político

“A oratória de protesto do rap estava um pouco adormecida”, diz MC Rael, em turnê na Europa

Pintora brasileira radicada na França denuncia desmatamento da Amazônia em telas gigantes

Diretora de teatro de Belo Horizonte divulga festival artístico interdisciplinar em Paris

Bolsonaro representa uma continuidade do que está acontecendo hoje no Brasil, diz historiador americano

“Estamos todos ameaçados”, diz escritor João Paulo Cuenca sobre Bolsonaro

Cordel se adapta à tecnologia e tem até desafio repentista por WhatsApp, diz pesquisadora francesa

"Brasil vive época propícia para arte subversiva", diz autor de livro sobre cena musical psicodélica

Livro sobre Dandara, líder do movimento negro do Quilombo dos Palmares, é lançado na França