rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

Por Mauricio Assumpção

Ganhador do prêmio Jabuti duas vezes, Bernardo Carvalho lançou no ano passado o seu décimo-primeiro romance, Simpatia pelo demônio, pela Companhia das Letras. De passagem por Paris, o escritor falou exclusivamente para a RFI Brasil sobre o papel da literatura na sociedade, os seus novos projetos e a situação política no Brasil.

Escritor, jornalista e articulista, Bernardo Carvalho, 56 anos, lançou o seu primeiro romance, Onze, em 1995, depois de ter publicado uma coletânea de contos, Aberração, dois anos antes. Em 2004, ganhou o prêmio Jabuti, o mais importante prêmio da literatura brasileira, com o seu oitavo livro, Mongólia. Dez anos depois, repetiu o feito, recebendo o Jabuti pelo romance Reprodução.

O livro Simpatia pelo demônio, sua obra mais recente, conta a história de um brasileiro que, trabalhando para uma agência humanitária internacional, é enviado para uma zona de conflito, onde deverá pagar o resgate de um refém de um grupo extremista islâmico. Enquanto espera pelo contato com os terroristas, o brasileiro se lembra em flashbacks da relação amorosa que, em plena crise da meia-idade, manteve com um estudante mexicano, desestabilizando toda a sua vida.

“A literatura que importa, a literatura que me agrada, é a literatura de dissenso. Dissenso radical”, explica Carvalho. “Não se trata de dissenso político contra um partido no poder. É a literatura com uma singularidade que vem atrapalhar os consensos, que vem perturbar as ideias consensuais em estética, em arte, em literatura, em política. É a ideia de uma voz que seja perturbadora da domesticação do consenso, em nome da inteligência, em nome da verdade”.

Com alguns personagens estrangeiros e tramas que se passam no exterior, a obra de Bernardo Carvalho investiga a condição humana indo muito além das fronteiras da literatura nacional.

“A realidade brasileira contesta, contradiz toda a vontade que se pode ter de identificação com a nação. Como é que você pode se identificar com uma nação que te dá tão pouco, que não te dá educação, não te dá saúde, não te dá trabalho, não te dá garantias básicas de sobrevivência. (...) A vontade de acreditar numa identidade nacional no Brasil demanda uma espécie de cegueira muito grande, uma teimosia muito grande”.

Depois de Simpatia pelo demônio, Carvalho aproveitou um período de descanso em Portugal para dar início a um novo projeto, no qual retoma alguns temas de Nove Noites, um dos seus romances mais bem-sucedidos.

“No Brasil, quando eu acordava pela manhã, eu lia o jornal, tinha um ataque de nervos, e isso estragava o meu dia. Não conseguia mais escrever, ficava totalmente disperso, distraído”, disse, quando perguntado sobre a atual crise política no Brasil. “A questão da verdade não importa mais. São campos de força lutando entre si para se estabelecer no poder ou para escapar da justiça. (...) Essa polarização (política) tem mais a ver com uma espécie de guerra, estratégica, retórica, do que com a inteligência e a verdade”, concluiu.

 

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político