rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

Por Mauricio Assumpção

Ganhador do prêmio Jabuti duas vezes, Bernardo Carvalho lançou no ano passado o seu décimo-primeiro romance, Simpatia pelo demônio, pela Companhia das Letras. De passagem por Paris, o escritor falou exclusivamente para a RFI Brasil sobre o papel da literatura na sociedade, os seus novos projetos e a situação política no Brasil.

Escritor, jornalista e articulista, Bernardo Carvalho, 56 anos, lançou o seu primeiro romance, Onze, em 1995, depois de ter publicado uma coletânea de contos, Aberração, dois anos antes. Em 2004, ganhou o prêmio Jabuti, o mais importante prêmio da literatura brasileira, com o seu oitavo livro, Mongólia. Dez anos depois, repetiu o feito, recebendo o Jabuti pelo romance Reprodução.

O livro Simpatia pelo demônio, sua obra mais recente, conta a história de um brasileiro que, trabalhando para uma agência humanitária internacional, é enviado para uma zona de conflito, onde deverá pagar o resgate de um refém de um grupo extremista islâmico. Enquanto espera pelo contato com os terroristas, o brasileiro se lembra em flashbacks da relação amorosa que, em plena crise da meia-idade, manteve com um estudante mexicano, desestabilizando toda a sua vida.

“A literatura que importa, a literatura que me agrada, é a literatura de dissenso. Dissenso radical”, explica Carvalho. “Não se trata de dissenso político contra um partido no poder. É a literatura com uma singularidade que vem atrapalhar os consensos, que vem perturbar as ideias consensuais em estética, em arte, em literatura, em política. É a ideia de uma voz que seja perturbadora da domesticação do consenso, em nome da inteligência, em nome da verdade”.

Com alguns personagens estrangeiros e tramas que se passam no exterior, a obra de Bernardo Carvalho investiga a condição humana indo muito além das fronteiras da literatura nacional.

“A realidade brasileira contesta, contradiz toda a vontade que se pode ter de identificação com a nação. Como é que você pode se identificar com uma nação que te dá tão pouco, que não te dá educação, não te dá saúde, não te dá trabalho, não te dá garantias básicas de sobrevivência. (...) A vontade de acreditar numa identidade nacional no Brasil demanda uma espécie de cegueira muito grande, uma teimosia muito grande”.

Depois de Simpatia pelo demônio, Carvalho aproveitou um período de descanso em Portugal para dar início a um novo projeto, no qual retoma alguns temas de Nove Noites, um dos seus romances mais bem-sucedidos.

“No Brasil, quando eu acordava pela manhã, eu lia o jornal, tinha um ataque de nervos, e isso estragava o meu dia. Não conseguia mais escrever, ficava totalmente disperso, distraído”, disse, quando perguntado sobre a atual crise política no Brasil. “A questão da verdade não importa mais. São campos de força lutando entre si para se estabelecer no poder ou para escapar da justiça. (...) Essa polarização (política) tem mais a ver com uma espécie de guerra, estratégica, retórica, do que com a inteligência e a verdade”, concluiu.

 

Entre identidade e melodia, sambas-enredo "recuperam identidade brasileira", diz intérprete Ana Guanabara

"Camocim", documentário de Quentin Delaroche, recupera juventude idealista do interior de Pernambuco, no caos do esvaziamento ideológico do Brasil

“Negro, gay e comunista”, cubano Bola de Nieve é homenageado pela cantora Fabiana Cozza em Paris

Criminalizar homofobia no Brasil é uma vitória, “mas não é suficiente”, diz deputada Erica Malunguinho

Diretor brasileiro de animação mostra preocupação com diminuição de incentivo público durante Festival de Annecy

“América é último enigma na história da humanidade”, diz antropóloga

Desdém da classe média pelos mais pobres foi essencial para vitória de Bolsonaro, diz historiadora de NY

Psicanalista brasileira coordena seminários em Paris sobre angústia e distúrbios na aprendizagem

A palavra reinventada por Angela Detanico e Rafael Lain em exposição no Grand Palais

“O problema do Brasil não é econômico, é político”, afirma vice-presidente da CNI em Paris

“Vitalidade da democracia é essencial para barrar ações de Bolsonaro”, diz Manuela D’Ávila em Paris

Malvine Zalcberg lança na França livro sobre construção de identidade feminina entre mães e filhas

“Como os modernistas, foi na França que descobri minha brasilidade”, diz artista Júlio Villani

“Preciso desesperadamente de R$ 1 milhão”, diz diretor do Museu Nacional em Paris

Valorizar população indígena é o caminho para a preservação da Amazônia, diz historiador americano

Embaixada brasileira lança cartografia para mapear o ensino do português na França

“Modo de exercer o governo é inspirado no pior da ditadura”, diz professor brasileiro na França