rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

Por Mauricio Assumpção

Ganhador do prêmio Jabuti duas vezes, Bernardo Carvalho lançou no ano passado o seu décimo-primeiro romance, Simpatia pelo demônio, pela Companhia das Letras. De passagem por Paris, o escritor falou exclusivamente para a RFI Brasil sobre o papel da literatura na sociedade, os seus novos projetos e a situação política no Brasil.

Escritor, jornalista e articulista, Bernardo Carvalho, 56 anos, lançou o seu primeiro romance, Onze, em 1995, depois de ter publicado uma coletânea de contos, Aberração, dois anos antes. Em 2004, ganhou o prêmio Jabuti, o mais importante prêmio da literatura brasileira, com o seu oitavo livro, Mongólia. Dez anos depois, repetiu o feito, recebendo o Jabuti pelo romance Reprodução.

O livro Simpatia pelo demônio, sua obra mais recente, conta a história de um brasileiro que, trabalhando para uma agência humanitária internacional, é enviado para uma zona de conflito, onde deverá pagar o resgate de um refém de um grupo extremista islâmico. Enquanto espera pelo contato com os terroristas, o brasileiro se lembra em flashbacks da relação amorosa que, em plena crise da meia-idade, manteve com um estudante mexicano, desestabilizando toda a sua vida.

“A literatura que importa, a literatura que me agrada, é a literatura de dissenso. Dissenso radical”, explica Carvalho. “Não se trata de dissenso político contra um partido no poder. É a literatura com uma singularidade que vem atrapalhar os consensos, que vem perturbar as ideias consensuais em estética, em arte, em literatura, em política. É a ideia de uma voz que seja perturbadora da domesticação do consenso, em nome da inteligência, em nome da verdade”.

Com alguns personagens estrangeiros e tramas que se passam no exterior, a obra de Bernardo Carvalho investiga a condição humana indo muito além das fronteiras da literatura nacional.

“A realidade brasileira contesta, contradiz toda a vontade que se pode ter de identificação com a nação. Como é que você pode se identificar com uma nação que te dá tão pouco, que não te dá educação, não te dá saúde, não te dá trabalho, não te dá garantias básicas de sobrevivência. (...) A vontade de acreditar numa identidade nacional no Brasil demanda uma espécie de cegueira muito grande, uma teimosia muito grande”.

Depois de Simpatia pelo demônio, Carvalho aproveitou um período de descanso em Portugal para dar início a um novo projeto, no qual retoma alguns temas de Nove Noites, um dos seus romances mais bem-sucedidos.

“No Brasil, quando eu acordava pela manhã, eu lia o jornal, tinha um ataque de nervos, e isso estragava o meu dia. Não conseguia mais escrever, ficava totalmente disperso, distraído”, disse, quando perguntado sobre a atual crise política no Brasil. “A questão da verdade não importa mais. São campos de força lutando entre si para se estabelecer no poder ou para escapar da justiça. (...) Essa polarização (política) tem mais a ver com uma espécie de guerra, estratégica, retórica, do que com a inteligência e a verdade”, concluiu.

 

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Romain Vicari, artista plástico franco-brasileiro, expõe "bumerangue cultural" em Paris

“Aquecimento global é desafio do presente e do futuro para a produção de vinho”, diz enóloga brasileira à frente da OIV

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Avignon: “As crianças entendem tudo”, diz Miguel Fragata, diretor de peça infantil sobre refugiados

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Sonho, rito e alteridade: ritual xavante inspira solo de brasileira em Montpellier Danse

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

"A seleção da França é quase toda afro-francesa", diz Gilberto Gil em Paris

Eleição presidencial no México tem semelhanças com Brasil, diz embaixador Rubens Barbosa

Vencedor do Prêmio Icatu, maestro brasileiro estreia em Paris novo sistema musical que homenageia Bach

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth