rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Brasileiro ganha prêmio internacional por estudos sobre amamentação

Por Silvano Mendes

O epidemiologista Cesar Victora, professor emérito da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, foi recompensado com o prêmio canadense Gairdner, uma das honrarias mais respeitadas na área de saúde no mundo.

Victora foi selecionado para o Gairdner por causa de um trabalho sobre a importância da amamentação realizado na década de 1980 nas cidades de Porto Alegre e Pelotas. “O prêmio é concedido muitos anos após a realização da pesquisa porque os organizadores esperam para ver qual o impacto do estudo sobre a saúde global”, explica o professor.

“Nós comprovamos que a criança que é amamentada exclusivamente até os seis meses de vida, sem receber nenhum outro tipo de alimento durante esse período, tem o risco muito menor de morrer devido a uma série de doenças, particularmente a diarreia e as infecções gastrointestinais”, conta o epidemiologista. Os resultados transformaram o Brasil numa referência sobre o tema e, “a partir dos anos 1990, a Unicef e a Organização Mundial de Saúde passaram a recomendar o aleitamento exclusivo no primeiro semestre de vida e isso foi adotado pela maioria dos países do mundo”, celebra o brasileiro.

Crianças amamentadas têm chance de ganhar mais ao se tornarem adultos

As pesquisas de Victora também ajudaram a comprovar que o leite materno estimula o cérebro. “Nós fizemos um estudo, publicado no ano passado, mostrando que as crianças amamentadas têm mais inteligência, mais escolaridade e inclusive uma renda maior aos 30 anos do que crianças dos mesmos grupos sociais, mas que não foram amamentadas”, revela.

O professor espera que o prêmio, que é concedido pela primeira vez a um pesquisador do Brasil, incentive o investimento dos projetos científicos. “A pesquisa da área de saúde teve um grande aporte do Governo Federal nos últimos 15 anos, 20 anos. Mas atualmente, com o país em crise econômica e um governo que está preferindo investir em outras áreas, o financiamento da pesquisa está seriamente comprometido. Eu espero que, mostrando que a pesquisa brasileira é competitiva em nível mundial, nós consigamos sensibilizar as autoridades para que continuem e aumentem os investimentos na pesquisa científica”, conclui o epidemiologista.

Igor Fuser: “Brasil e vizinhos latinos jogaram lenha na fogueira da crise na Venezuela”

"Prêmio em Locarno me dá ânimo para continuar":Sara Silveira, produtora

"Brasil precisa ser repensado em termos de meio ambiente", diz documentarista

Entender o nazismo é importante para a juventude, diz autora e tradutora de livro sobre Hitler

Prevenção pode resolver consumo do "purple drank" na França, diz especialista

“Cultura brasileira seria mais pobre sem Rouanet”, diz ministro Sérgio Sá Leitão

Em 20 anos, nunca vi uma crise tão longa no mercado de arte brasileiro, diz galerista Maria Baró

"População trans ainda é muito estigmatizada", diz Inês Dourado, especialista em HIV

"Flip está ficando intimista de novo": Olivier de Corta, francês que vive em Paraty

Luiz Loures, da Unaids: “Jovens pensam que epidemia da Aids é coisa do passado”

"Hercule Florence foi um inventor isolado da fotografia": Boris Kossoy, historiador

Diretor português Tiago Rodrigues conquista Festival de Avignon com a peça “Sopro”

“Deveria haver um ‘Plano B’ sem Lula”, diz cientista político em Berlim