rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Planalto não trabalha com hipótese de cassação de Temer

O julgamento da chapa Dilma Rousseff e Michel Temer começa nesta terça-feira (4) no Tribunal Superior Eleitoral. Os ministros decidirão se Temer deve ser cassado e se Dilma deverá ficar inelegível por oito anos.

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília

A cúpula da Presidência, no entanto, está otimista. Uma fonte do Planalto afirmou que o governo não trabalha com a hipótese de que Michel Temer será cassado. Tanto que Temer manterá a agenda normal e não deverá acompanhar o julgamento. A assessoria do presidente declarou que seus advogados estão seguros de suas alegações, e que se encontram preparados para fazer a defesa a qualquer momento. Isso porque o Planalto sabe que, ainda que previsto para terminar esta semana, o julgamento pode ser adiado por várias razões. Os ministros podem decidir, por exemplo, dar mais prazo para a defesa.

Também é possível que um dos magistrados peça vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso. O julgamento pode ainda se arrastar com a troca de ministros: dois deles deixarão o tribunal até maio. Temer já escolheu um dos substitutos: Admar Gonzaga deverá entrar no lugar de Henrique Neves no dia 16 de abril. Gonzaga foi advogado na campanha de Dilma em 2010. O julgamento agora se refere às contas da chapa de 2014. A expectativa inicial é que a chapa Dilma-Temer, acusada de abuso político e econômico, seja julgada até esta quinta-feira (6), depois de quatro sessões marcadas exclusivamente para este caso.

Condenação da chapa

Há uma tendência de que o ministro Herman Benjamin vote pela condenação da chapa. O Ministério Público Eleitoral pediu a cassação de Temer e a inelegibilidade de Dilma Rousseff por oito anos. O deputado Valdir Colatto, que é vice-líder do PMDB na Câmara, disse que é difícil saber qual tese vai sensibilizar mais os ministros. Ele acredita que seria complexo eleger um novo presidente em eleições indiretas, caso Temer seja cassado. Desde a proclamação da República, em 1889, o Brasil já passou por oito eleições indiretas.

O julgamento vai começar com a leitura do relatório da ação, que é um resumo das diligências, perícias, depoimentos e provas do caso. Depois será a vez dos advogados de acusação e defesa e, por fim, do Ministério Público Eleitoral. Cada um terá direito a 15 minutos. Em seguida, o ministro Herman Benjamin apresentará o seu voto.

Quem entrou com a ação contra a chapa foi o PSDB, ainda em 2014. Agora, o partido, que ocupa cinco ministérios, afirma que há provas contra Dilma, mas não contra Temer. Este tipo de julgamento é inédito no TSE e é considerado o mais importante da corte até agora. A sessão é aberta ao público e por isso a segurança será reforçada.

Governo do Reino Unido expulsa imigrantes caribenhos que vivem no país há décadas

Com novas sanções, Trump quer mostrar que não tem compromisso com a Rússia

Dia do Holocausto: Israel para em lembrança aos 6 milhões de judeus mortos

Sob pressão de políticos e opinião pública, ministros do STF votam hoje habeas corpus de Lula

A um ano do Brexit, negociações para Reino Unido deixar UE seguem emperradas

Pergunta sobre cidadania no censo americano deve diminuir repasse de verbas para os estados

Líderes europeus devem dar sinal verde ao acordo de transição pós-Brexit