rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

RSF está pessimista com liberdade de imprensa no Brasil

Por Adriana Brandão

O Brasil está no 103° lugar no ranking da liberdade de imprensa 2017 divulgado nesta quarta-feira (26) pela ONG francesa Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Apesar de ter subido uma posição em relação ao ano passado, o país está estagnado na parte inferior da classificação e continua sendo um dos mais violentos da América Latina para o exercício da profissão.

“Considerando o cenário de profunda crise política e econômica no país, não temos razão para sermos otimistas quanto aos possíveis avanços para a liberdade de imprensa e informação nos próximos anos no Brasil”, salienta Emmanuel Colombié, diretor para a América Latina da Repórteres Sem Fronteiras.

O relatório anual da RSF afirma que “nunca a liberdade de imprensa esteve tão ameaçada no mundo” e adverte que o jornalismo global “está fragilizado pelo recuo da democracia”. No Brasil, a impunidade diante de ameaças, agressões em manifestações e assassinatos, além da forte instabilidade política, ilustrada pela destituição de Dilma Rousseff em 2016, impedem a plena liberdade de expressão, segundo a ONG.

A maior democracia latino-americana só perde em termos de violência para o México, que registrou 10 assassinatos em 2016. “No Brasil, tivemos três assassinatos em 2016 por motivos diretamente ligados à atividade profissional o que faz o país ser o 2° mais mortífero do continente para a profissão. Temos também, de maneira permanente, as agressões e violências contra jornalistas nas manifestações. Esse é um problema antigo, anterior a 2016, mas continua sendo muito preocupante”, ressalta Emmanuel Colombié.

No ano passado, 72 casos de agressões a jornalistas durante manifestações foram registrados pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo). A grande maioria desses atos foi perpetrada pela polícia.

Quebra do sigilo de fontes

A péssima colocação do Brasil no ranking elaborado pela RSF vai além da violência, refletindo a existência de um conjunto mais amplo de problemas e por um setor da mídia pouco democrático que afastam o Brasil de ser uma referência regional nesse campo.

O relatório denuncia a quebra do sigilo das fontes pela justiça brasileira e o alto nível de concentração dos meios de comunicação de massa brasileiros, que impedem o pluralismo. O diretor da RSF para a América Latina lembra que “o Brasil tem um nível muito alto de concentração. Os maiores grupos pertencem a poucas empresas familiares. Temos um conflito de interesses muito importante que prejudica a qualidade da informação, com interesses privados, políticos, religiosos ou econômicos interferindo na linha editorial”.

Sem esquecer, “as pressões por parte do governo e instituições, as ações judiciais contra jornalistas, sobretudo por delitos ditos de honra e passíveis de penas de prisão, e a interferência direta em empresas públicas de comunicação”. Emmanuel Colombié faz referência ao caso de exoneração, em maio do ano passado, do jornalista e então presidente da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), Ricardo Melo, além da dissolução do Conselho Curador do grupo.

Marco geral

A ONG pede que o governo brasileiro tome com urgência medidas concretas para combater a impunidade e garantir a plena liberdade de expressão no país. “Pedimos a criação de um mecanismo nacional de proteção dos jornalistas em situação de perigo e de um observatório da violência contra a imprensa. Também queremos um marco legal com regras claras contra os monopólios e oligopólios do setor”, propõe Emmanuel Colombié.

Publicado a cada ano desde 2002 pela RSF, o ranking mundial da Liberdade de Imprensa avalia o grau de liberdade do qual desfrutam os jornalistas de 180 países, graças a uma série de indicadores: pluralismo, independência das mídias, ambiente e autocensura, arcabouço jurídico, transparência, infraestruturas e abusos. Em 2017, a Noruega lidera a lista. O último colocado é a Coreia do Norte.

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora