rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil Michel Temer Manifestação Protestos Crise

Publicado em • Modificado em

Temer revoga decreto que autoriza exército em Brasília

media
Exército foi colocado nas ruas de Brasília para conter manifestações (Foto: Reuters)

O presidente Michel Temer revogou nesta quinta-feira (25) o decreto que autorizava a atuação do Exército em Brasília, promulgado nesta quarta-feira (24), depois dos incidentes violentos na Esplanada dos Ministérios.


No texto do decreto, Temer justifica a decisão pela “cessação dos atos de depredação e violência e o consequente restabelecimento da Lei e da Ordem no Distrito Federal, em especial na Esplanada dos Ministérios”, o que o conduziu a retirar os militares das ruas de Brasília.

"O Presidente da República (...) decreta: ART 1º: "Fica revogado o Decreto de 24 de maio de 2017, que autoriza o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem no Distrito Federal", indica a ordem, publicada no Diário Oficial da União.

A decisão foi tomada depois de uma reunião ocorrida hoje com ministros do seu núcleo político e da Defesa para avaliar a eventual saída dos militares.

As forças armadas foram convocadas nesta quarta-feira (24) depois dos violentos protestos em Brasília, envolvendo policiais e manifestantes. Durante o tumulto, o Ministério da Agricultura foi incendiado.

Ministro da Defesa dá coletiva

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, declarou que o recado do presidente Temer é um só: "A manifestação democrática e ordeira é protegida pelo Estado (...) , agora, o vandalismo, a barbárie, colocar em risco a vida das pessoas, destruir o que pertence ao povo brasileiro, que são os imóveis, os prédios públicos, não serão tolerados. A desordem não será tolerada, e será combatida dentro da lei, dentro da ordem, de acordo com os mandamentos da Constituição", disse Jungmann, sobre os incidentes no protesto de quarta-feira (24), em Brasília.

Protesto reúne 35 mil manifestantes

Segundo a CUT, 200 mil pessoas foram para a Esplanada; já o governo do Distrito Federal, fala em 35 mil. Populares tentaram invadir o perímetro de segurança restrito previsto no Protocolo Integrado Tático, mas foram contidos pela Polícia Militar, que usou a força.

Os policiais usaram spray de pimenta, gás lacrimogêneo, cassetetes e balas de borracha para conter manifestantes, que usaram pedras e pedaços de paus.Uma faixa gigante “Fora Temer” foi esticada no meio do gramado da Esplanada. Os manifestantes também levaram bandeiras e balões de centrais sindicais.