rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Crise no Brasil afeta mercado editorial”, diz escritora Lilian Fontes

Por Elcio Ramalho

A escritora carioca Lilian Fontes prepara seu quarto livro de ficção com a ambição de transformá-lo em uma epopeia ligada à história do Brasil. Ao mesmo tempo que acerta os últimos detalhes do primeiro volume, ela começa a prospectar o interesse de editoras pela sua obra, em meio a uma situação delicada atualmente para o setor.

“Ele morreu sem saber”, nome escolhido para seu novo livro, é um desafio que Lilian Fontes pretende desdobrar em três volumes para contar uma saga familiar tendo como pano de fundo um grande período da história do país.

No entanto, a crise política e econômica está afetando o mercado editorial nacional e deixando seu plano com futuro indefinido. “As editoras estão com dificuldades. No Brasil, a literatura sempre teve um caminho mais difícil para encontrar leitores. A literatura estrangeira, os best-sellers, têm uma entrada muito maior. As editoras têm um retorno maior e elas estão tendo que optar por essa linha mais do que nos autores brasileiros”, constata.

Segundo Lilian, as editoras priorizam neste momento respeitar contratos firmados anteriormente e estão “fechadas” para novos projetos. Por isso, seu foco continua sendo a etapa final de escritura, antes de se lançar de vez na busca de um meio de publicar o novo livro.

Carreira polivalente

Apesar da graduação em arquitetura, estudos de filosofia e uma carreira acadêmica de doutorado e pós-doutorado em Comunicação e Cultura com especialização em televisão, Lilian diz que sua maior motivação está na literatura.

“Minha verdadeira paixão é a ficção literária, onde coloco minha maior carga de emoção e visão sobre a condição humana. A literatura é o maior meio trabalhar o ser humano em seus diversos valores e perspectivas”, contou na entrevista à RFI Brasil.

“Fiz arquitetura porque gostava muito de desenho e, na época, me disseram muito sobre a questão financeira, de não conseguir viver de ficção no Brasil, que é uma grande verdade até hoje, com raras excessões”, comenta.

Lilian estreou na literatura em 1991, com o livro de contos “Escrita Fina”, (Livraria Taurus-Timbre Editora), que, afirma, teve uma boa repercussão e foi bem recebido pela crítica, abrindo possibilidades para outras aventuras literárias.

Na sequência, participou de coletâneas de contos e outros projetos editoriais, além de publicar outros três romances: Espantalhos (Relume- Dumará, 1994), Santo Dia (Ed. Record, 2002) e De Olhos Bem Abertos (Ed. Record, 2011).

Mercado para biografias

Além da ficção literária, sua maior paixão, Lilian Fontes encontrou um filão no mercado editorial: o de autora de biografias. Sua primeira experiência foi em 2003, quando a pedido de sua editora, transformou em livro a trajetória profissional do médico Paulo Niemeyer Filho. Depois, colaborou com o Doutor Ivo Pitanguy na elaboração de sua biografia “Viver vale a Pena”, (Ed. Casa da Palavra, 2014).

Nos últimos anos, notou um interesse crescente de muitos particulares em transformar em livros suas trajetórias e experiências de vida, sem ambições comerciais. “Muitas pessoas, muitas famílias me procuram para fazer um registro sobre a história profissional, por exemplo. Atualmente, muitos judeus têm me procurado para registrar seus percursos, as histórias de suas famílias para deixar um registro para os netos e as novas gerações”, contou.

 

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

“Escrever já é uma resistência”, defende poeta Ana Elisa Ribeiro em Paris

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

"Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser

Cláudio Edinger participa da feira Paris Photo com imagens de "Machina Mundi"

“Produzimos 45% de toda a proteína do Brasil sem desmatar”, diz governador do Mato Grosso na China

“Villa-Lobos leva o europeu a se interessar por outros compositores brasileiros”, diz Paulo Meirelles

Brasília se cala sobre a responsabilidade da Samarco na tragédia de Mariana, diz promotor

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

“Nunca morreram tantas pessoas assassinadas no Brasil”, diz pesquisador

Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"

“Não existe salvador da pátria”, afirma prefeito do PSDB em visita a Paris