rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Fitoterapia e alopatia podem andar juntas", afirma naturopata brasileira Rafaela Tillier

Por Márcia Bechara

O RFI Convida conversou com a naturopata e enfermeira brasileira Rafaela Tillier, radicada em Paris, que realiza a conferência "As virtudes terapêuticas das plantas da Amazônia" no espaço Krajcberg, no 15° distrito da capital francesa, uma iniciativa do Centro Cultural do Brasil, nesta quarta-feira (7). O evento faz parte do ciclo de conferências da "Semana da América Latina e do Caribe".

Para ouvir a entrevista na íntegra, basta clicar na foto da matéria

"A naturopatia é uma profissão que existe há dois mil e quinhentos anos pelo menos", explica a naturopata e enfermeira brasileira Rafaela Tillier, especializada em plantas amazônicas. "Na Itália, em Portugal e na Inglaterra, por exemplo, essa é uma prática não apenas regulamentada como também permitida dentro dos hospitais, ao contrário da França, que ainda está atrasada em relação à Europa", explica Tillier. "Aqui a profissão existe, mas o lobby das indústrias farmacêuticas ainda é um fator que pesa muito no cuidado com os pacientes", explica.

 "A vontade de falar sobre as plantas amazônicas aconteceu depois que eu cheguei aqui. Eu via muitas pessoas falando da Amazônia, começou a moda do açaí, e eu, como naturopata formada aqui na França, acabei me apropriando um pouco disso porque a riqueza que a gente tem é tão grande, que nós mesmos brasileiros não nos damos conta. Como naturopata é minha função mostrar aos franceses tudo o que a gente tem", afirma a profissional.

"Em termos de propriedades, por exemplo, nós temos o açaí, que é o fruto mais antioxidante do mundo. Temos ainda o camu-camu, que tem uma superpropriedade, uma alta concentração de vitamina C, 20 vezes mais vitamina C que a acerola. Temos ainda a castanha-do-pará. Dentro de apenas uma castanha, temos duas vezes a dose de selênio que precisamos por dia. Todos esses frutos são considerados como superalimentos, ou alicamentos, ou seja, medicamentos em forma de alimento", detalhou Rafaela.

"Acredito que a fitoterapia e a alopatia podem andar juntas. Não precisamos ser [exclusivamente] "naturebas", as duas coisas podem ser complementares. Esse é o segredo que deve ser revelado para as pessoas", especifica a naturopata. "Os franceses estão sempre abertos e curiosos ao que vêm do Brasil, especialmente da Amazônia, mas ainda não utlizam este conhecimento", afirma Tillier.

 

 

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora

Entre identidade e melodia, sambas-enredo "recuperam identidade brasileira", diz intérprete Ana Guanabara

"Camocim", documentário de Quentin Delaroche, recupera juventude idealista do interior de Pernambuco, no caos do esvaziamento ideológico do Brasil

“Negro, gay e comunista”, cubano Bola de Nieve é homenageado pela cantora Fabiana Cozza em Paris

Criminalizar homofobia no Brasil é uma vitória, “mas não é suficiente”, diz deputada Erica Malunguinho

Diretor brasileiro de animação mostra preocupação com diminuição de incentivo público durante Festival de Annecy

“América é último enigma na história da humanidade”, diz antropóloga

Desdém da classe média pelos mais pobres foi essencial para vitória de Bolsonaro, diz historiadora de NY

Psicanalista brasileira coordena seminários em Paris sobre angústia e distúrbios na aprendizagem

A palavra reinventada por Angela Detanico e Rafael Lain em exposição no Grand Palais

“O problema do Brasil não é econômico, é político”, afirma vice-presidente da CNI em Paris

“Vitalidade da democracia é essencial para barrar ações de Bolsonaro”, diz Manuela D’Ávila em Paris

Malvine Zalcberg lança na França livro sobre construção de identidade feminina entre mães e filhas

“Como os modernistas, foi na França que descobri minha brasilidade”, diz artista Júlio Villani

“Preciso desesperadamente de R$ 1 milhão”, diz diretor do Museu Nacional em Paris