rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Vai-não-vai de Temer ao G20 chama atenção para a crise no Brasil

Por João Alencar

O presidente Michel Temer hesitou, mas decidiu mudar de planos e vai participar da cúpula do G20, que começa nesta sexta-feira (7), em Hamburgo, na Alemanha. Na semana passada, Temer havia anunciado que não iria mais ao G20, sem dar uma justificativa oficial. Seria a primeira vez que um chefe de Estado não compareceria ao encontro que reúne as 19 principais economias do mundo mais a União Europeia.

De acordo com especialistas, seria difícil estimar o prejuízo econômico para o Brasil, causado pela ausência do presidente, mas, aos olhos de investidores estrangeiros, a hesitação do presidente ressalta a gravidade da crise política e da instabilidade econômica.

O cancelamento da viagem havia sido tomada na semana passada, logo após a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Temer. A decisão histórica de não participar do principal encontro econômico mundial surpreendeu a comunidade internacional.

“É difícil dizer exatamente o que causou essa decisão de voltar atrás, mas claramente houve manifestações de vários atores dentro do Brasil e também por parte do G20. Acredito que houve a percepção de que a ausência do presidente causaria um estrago na imagem do Brasil. E que isso poderia facilmente ser evitado", analisa Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

"Foi também o entendimento de que uma viagem curta para encontrar com chefes de Estado e  participar das atividades centrais da cúpula não representaria um risco grande para o presidente. Isso não afetaria a sobrevivência política dele em Brasília”, acrescenta Stuenkel.

Preservar a imagem do Brasil no exterior

Seria difícil estimar o impacto real causado na economia brasileira a curto prazo, mas a ausência do presidente Temer só agravaria a imagem do Brasil no exterior. "O que os investidores gostam de ter é segurança jurídica, previsibilidade fiscal e, enfim, segurança do retorno do investimento. Hoje em dia, a situação brasileira é complicada com esta tríplice crise: política-econômica-social", comenta Gaspard Estrada, diretor do Observatório Político da América Latina e Caribe da universidade Sciences Po em Paris.

"Mesmo se os investimentos continuam chegando ao Brasil, eles são de outra natureza. Não são investimentos a longo prazo, mas de pessoas que desejam uma rentabilidade muito rápida, sobretudo comprando papéis do governo. Ou seja, são investimentos financeiros e não produtivos”, explica Estrada.

"O mais importante é mostrar a cara"

A cúpula do G20, na Alemanha, deve tratar de temas como mudanças climáticas, imigração e cooperação econômica internacional. Assuntos que opõem o atual presidente americano Donald Trump a grande parte dos países presentes.

Apesar de Michel Temer não aproveitar o evento para reuniões bilaterais, Oliver Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas, ressalta o valor simbólico da presença do presidente brasileiro.“Há chefes de Estado que programaram uma série de encontros bilaterais. Por exemplo, será a primeira vez que Vladimir Putin encontrará com Donald Trump. Esses encontros são importantes, claro, mas ninguém dirá ‘nossa, o Temer só ficou 48h’. Isso não é problema", avalia.

"Obviamente, o Temer não ficará dias, fazendo reuniões bilaterais, o que seria positivo, mas atualmente é secundário. O mais importante é mostrar a cara, pois, se não, você mostra que o Brasil não se importa com as grandes questões internacionais”, enfatiza Stuenkel.

O presidente Michel Temer, em Brasília, no dia 26 de junho de 2017. REUTERS/Ueslei Marcelino

Mostrar a cara e defender a recuperação do Brasil. Tentar convencer a comunidade internacional que a crise vivida no Brasil desde 2013 está chegando ao fim, que o pior já passou.

Seria esse o objetivo da presença de última hora do presidente Michel Temer na cúpula do G20 na Alemanha. Contudo, o cancelamento da viagem e a hesitação em deixar o país por alguns dias demonstram que vai ser preciso muito mais do que um aperto de mão ou uma foto oficial para sustentar o discurso do governo.

 

Superoferta mundial de açúcar faz produtores brasileiros direcionarem safra para etanol

Entre expectativas frustradas e conquistas sólidas, BRICS completam primeira década de existência

Com energias verdes, venda de eletricidade pode virar complemento de renda

Brasil deve perder liderança mundial da produção de açúcar para a Índia

Pais que largam o trabalho para cuidar dos filhos: um tabu que demora a cair

Apoio de franceses a reformas de Macron terá prova de fogo com aposentadorias

Por que o consumidor não sente a queda histórica da taxa de juros no Brasil?

Divergências sobre acordos bilaterais retardam investimentos do Catar no Brasil

Livre de cassinos desde 1920, Paris abrirá “clubes de jogos” em 2018

Acordo Mercosul-UE: franceses apostam na qualidade para enfrentar carne brasileira

Volatilidade dos mercados está de volta e favorece especulação em 2018