rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Temer perde força e PSDB pode deixar base aliada

Partidos da base de apoio ao presidente Michel Temer discutem a permanência ou não no governo depois que o deputado Sergio Zveiter foi a favor da investigação do Supremo Tribunal Federal contra o presidente da República por corrupção passiva. Zveiter leu seu parecer na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília

Está cada vez mais forte dentro do PSDB a ideia de que o partido deve desembarcar do governo e se desvincular da crise política. Os caciques tucanos se reuniram até tarde da noite desta segunda-feira (10), mas a incerteza continua. Oficialmente o encontro foi inconclusivo porque a legenda só vai anunciar possível saída do governo após reunião da Executiva do partido.

Como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso viaja para a Europa nesta terça-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, marcou uma reunião com FHC e outras lideranças tucanas, como os senadores Aécio Neves e José Serra, o prefeito de São Paulo, João Doria, e o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli. Antes do encontro, Alckmin disse que o partido não precisa de cargos no governo para aprovar reformas. Até agora, o PSDB contabiliza seis votos contra Temer na Comissão de Constituição e Justiça. Apenas o deputado Paulo Abi-Ackel votaria a favor do presidente.

Encontro com FHC

O presidente Michel Temer tentou marcar um encontro com Fernando Henrique Cardoso, mas por enquanto não teve sucesso. Na segunda-feira, Temer passou mais um dia em agenda com políticos. Entre eles, o presidente do PP, o senador Ciro Nogueira. Ele me disse, após a conversa, que o governo está bem confiante e que os seguintes partidos estão fechados com Temer: PP, PR, PSD, PRB, PTB e PMDB. Ciro Nogueira garantiu a Temer que todos os deputados do PP vão votar a favor do presidente na CCJ e que, no plenário, há quase unanimidade no partido. O senador ainda disse que, mesmo que os tucanos deixem o governo, o PP deve manter o apoio e ressaltou que seu partido tem 47 deputados, um a mais do que o PSDB.

O deputado Nelson Marquezelli, do PTB, disse que o partido está fechado com Michel Temer. O deputado Paes Landim - que é do PTB e assim como Marquezelli, membro da CCJ - e afirmou que ainda está lendo os argumentos de acusação e defesa. Já os deputados do PMDB farão um voto paralelo, um contraponto ao do relator Zveiter, que apesar de ser do PMDB, foi a favor da admissibilidade da denúncia contra Temer. O Palácio do Planalto anda desconfiado mesmo com o Democratas. Como o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, assume no lugar de Temer caso a denúncia seja investigada no STF, a fidelidade da legenda ao governo não é garantida.

Para a oposição, esta é a primeira derrota do Planalto na Câmara – e começo do fim do governo Temer. Mas os oposicionistas questionam a troca de titulares na CCJ, que pode garantir votos a favor de Temer. O deputado Glauber Braga, do PSOL, também reclama da pressa do governo para que a votação ocorra ainda em julho. "A gente não pode aceitar este tipo de blindagem que está sendo feita pela cúpula do governo, uma operação salvação do governo Michel Temer".

A Comissão de Constituição e Justiça volta a se reunir na próxima quarta-feira. A base de Temer calcula que 39 deputados serão a favor do presidente, garantindo sua vitória. A oposição calcula 28 votos contra Temer. Lembrando que a decisão final será do plenário.

Sem coalizão para governar, Alemanha tenta evitar eleições antecipadas

Chile vai ao segundo turno das eleições presidenciais com Piñera favorito

Greenpeace processa Noruega por avanço da exploração de petróleo no Ártico

Acusações de assédio sexual provocam escândalo no Parlamento Britânico

Centenário da Revolução Russa inspira nostalgia, mas divide opiniões

Por falta de moradia, Dinamarca propõe contêiners de luxo para estudantes

Assessores de campanha de Trump são indiciados por conspiração contra EUA

Interventores de Madri chegam a Barcelona para assumir gestão da Catalunha