rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

PT vai às ruas contra condenação de Lula, que pode ficar inelegível

A militância do PT decidiu ir às ruas protestar contra a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula de Silva na noite de quarta-feira (12). O juiz Sérgio Moro condenou o petista a nove anos e seis meses de prisão em regime fechado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. A força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal anunciou que vai recorrer para que a pena seja aumentada.

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília

Logo que saiu a decisão, o PT convocou os militantes às ruas. Houve protesto em São Paulo ontem e outras manifestações foram marcadas para esta semana em várias capitais do país.

Os petistas dizem que Lula é inocente e foi condenado sem provas. Também alegam perseguição política para impedir a candidatura de Lula à presidência em 2018. Ele está em primeiro lugar nas pesquisas.

A ex-presidente Dilma Rousseff disse que a condenação de Lula é um escárnio e que o povo brasileiro saberá democraticamente resgatá-lo em 2018. Os advogados de Lula declararam que houve motivação política no julgamento e que vão provar a inocência do petista em cortes não tendenciosas, incluindo as Nações Unidas.

Protestos em todo o país

O líder do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini, explicou como o partido está organizando as manifestações. "O PT está se organizando em todos os Estados, para que a gente compareça à porta dos fóruns de cada Estado, de cada cidade. Nós vamos fazer manifestações e protestos em todo o país. Queremos fazer um amplo movimento contra essa decisão política, fora do processo legal que foi tomada contra o presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro."

Já presidente do PT, Gleisi Hoffmann, questionou o juiz Sérgio Moro no plenário do Senado. "Juiz Sérgio Moro não jogue o seu diploma no lixo. Não jogue sua história, o curso que fez. Vossa excelência é professor de uma das maiores universidades federais deste país, a Universidade Federal do Paraná. Não dê mau exemplo a seus alunos. Como que a vossa excelência condena o ex-presidente sem nenhuma prova? Qual é a prova que o tríplex é do presidente Lula a não ser os depoimentos, a não ser a convicção de Dallagnol? E a não ser sabe o que, juiz Sérgio Moro? A sua prestação de contas aos meios de comunicação e à opinião pública que vossa senhoria ajudou a formar contra o presidente Lula durante esses últimos anos?"

Oposição elogia decisão de Moro

Políticos do PSDB e do Democratas elogiaram a decisão do juiz Sérgio Moro. A senadora Ana Amélia, do PP, disse que a lei vale para todos. "Ele é um grande líder, foi um grande presidente. Mas isso não significa que ele seja ininputável e que ele esteja acima da lei, que ele seja melhor que outras pessoas que estão sendo julgadas."

O deputado Pauderney Avelino, do DEM, conversou com a RFI e elogiou a decisão de Moro. "A condenação do ex-presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro mostra que depois do advento da operação Lava Jato não há ninguém acima da lei. O juiz Sérgio Moro foi de uma coragem muito grande."

Segundo a condenação, Lula não poderá assumir qualquer cargo ou função pública por 19 anos. Mas, de acordo com a lei, ele só fica impedido de se candidatar à presidência em 2018 se for condenado em segunda instância antes das eleições de outubro do ano que vem. Por enquanto, Lula vai aguardar a decisão em liberdade.

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy

Eleitores pró-aborto desafiam católicos dogmáticos em referendo na Irlanda

Zuckerberg explicará para UE se Facebook influenciou votação pró-Brexit

Venezuela: maioria dos países vizinhos não reconhece reeleição de Maduro