rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Temer está confiante em vitória para barrar denúncia no Congresso

A denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva será votada, nesta quarta-feira (2) na Câmara dos Deputados.

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília.

O presidente Michel Temer está bem confiante na vitória, porque reúne a quantidade de votos suficientes para barrar a denúncia. O problema é que precisa contar com a presença da oposição, já que são necessários 342 deputados no plenário para que a votação se inicie. Às vésperas da sessão, Temer não perdeu tempo: nem almoçou nem jantou na residência oficial.

As refeições foram ao lado de deputados, em busca de apoio na Câmara. Ele recebeu outras dezenas de parlamentares durante todo o dia e pediu para que eles sepultassem logo a denúncia, para manter a sua honra.

Aos jornalistas, o presidente disse que estava confiante. Mas não vai abrir mão de nenhum voto sequer: 11 ministros, que são deputados, vão deixar os cargos por um dia para votar no plenário. Entre eles, o ministro da Educação, Mendonça Filho, que é do Democratas.

“Eu sou parlamentar. Exerço o cargo de ministro da Educação, mas eu tenho obrigações constitucionais como membro do Congresso Nacional. É um tema importante, o Brasil todo acompanha e, se for necessário o meu retorno para apreciar a matéria, não haverá a mínima dificuldade para mim”, afirmou o ministro da Educação e deputado do DEM, Mendonça Filho.

Apoio velado

O governo também conta com o apoio velado de deputados do PSDB e do PPS que podem até votar contra Temer, mas vão marcar presença no plenário, o que pode ajudar a compor o quórum que o governo precisa para derrubar a denúncia.

Esses deputados são a favor das reformas propostas pelo governo, mas não querem ter a imagem vinculada à baixa popularidade do presidente um ano antes das eleições. É o caso do deputado Rubens Bueno, do PPS,

“A oposição pode obstruir e é legítimo que o faça. Nós queremos votar pelo prosseguimento da denúncia. Os que quiserem fazer outro tipo de obstrução, farão. Nós não faremos. Até porque como ‘independentes’, nós queremos as reformas importantes para o Brasil. A oposição não quer, o que é bem diferente”, disse Rubens Bueno.

Estratégia da oposição

PT, PCdoB, Psol e PDT não devem marcar presença na sessão pela manhã e vão avaliar a situação na parte da tarde. Eles querem mais tempo para as discussões no plenário e vão fazer de tudo para tentar adiar a votação. A oposição reclama que o rito da sessão está reduzido, com a previsão de fala da defesa de Temer e do relator Paulo Abi-Ackel, do PSDB, que produziu o relatório vencedor na Comissão de Constituição e Justiça.

Ambos terão 25 minutos de discurso. Depois quatro deputados, dois a favor e dois contrários ao relatório poderão falar por 5 minutos cada. Neste momento, se houver pelo menos 257 parlamentares presentes, a discussão pode ser encerrada.

Como o presidente Temer vai acompanhar a sessão?

Antes mesmo da sessão iniciar, o presidente deve receber visita do seu advogado, Antônio Mariz, que vai falar na tribuna da Câmara. Temer vai assistir à votação do seu gabinete no Palácio do Planalto ao lado de ministros mais próximos. Também vai acertar com auxiliares o texto do pronunciamento que fará depois da decisão da Câmara.

Sem coalizão para governar, Alemanha tenta evitar eleições antecipadas

Chile vai ao segundo turno das eleições presidenciais com Piñera favorito

Greenpeace processa Noruega por avanço da exploração de petróleo no Ártico

Acusações de assédio sexual provocam escândalo no Parlamento Britânico

Centenário da Revolução Russa inspira nostalgia, mas divide opiniões

Por falta de moradia, Dinamarca propõe contêiners de luxo para estudantes

Assessores de campanha de Trump são indiciados por conspiração contra EUA

Interventores de Madri chegam a Barcelona para assumir gestão da Catalunha