rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Vivemos batalha final da legitimação das terras indígenas no Brasil", diz antropólogo

Por Elcio Ramalho

“Estamos vivendo o que poderíamos chamar de batalha final da destinação das terras públicas no país. Temos uma perspectiva muito sombria em relação à preservação e proteção das tradições culturais dos indígenas e dos quilombolas, grupos formadores da nossa nacionalidade, e à fragilização das medidas de proteção à biodiversidade”, alerta o sociólogo e antropólogo Henyo Trindade Barretto Filho, da Comissão de Assuntos Indígenas da ABA (Associação Brasileira de Antropologia), no Dia Internacional dos Povos Indígenas, nesta quarta-feira (9)

Em entrevista à RFI Brasil, ele disse que “essas comunidades vivem sob uma grande ameaça de perda dos direitos conquistados na Constituição de 1988”.

“Basicamente setores econômicos interessados em suas terras têm apresentado um conjunto de medidas legislativas no Congresso Nacional, visando alterar substantivamente o nosso marco regulatório. Isso ocorre também da parte do Poder Executivo, por meio de uma série de medidas que cerceiam e restringem a participação dos povos indígenas por meio de suas associações nos assuntos que lhe dizem respeito. E também por meio do sucateamento da Funai (Fundação Nacional do Índio), com corte de recursos nas atividades”, denuncia.

Barretto Filho, que também é professor de antropologia na UnB (Universidade de Brasília), lembra que “é possível que, na próxima semana, em função de um conjunto de ações diretas de inconstitucionalidade ou civis, o Judiciário possa colocar uma pá de cal sobre isso”.

“Isso pode ocorrer caso seja aprovada a tese do marco temporal, que estabelece que teriam direito à terra apenas os índios que nela já estivessem vivendo no dia 5 de outubro de 1988, quando foi promulgada a Constituição”.

Dia instituído pela ONU

O Dia Internacional dos Povos Indígenas foi instituído pela ONU para marcar o aniversário de 10 anos da Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, um documento aprovado em 2007, estabelecendo critérios mínimos para sobrevivência, o bem-estar e as garantias dos direitos dessa população, estimada em 370 milhões de pessoas ao redor de 90 países.

O antropólogo diz que a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e a Coordenação Nacional das Comunidades Quilombolas (Conac) estão se mobilizando. “Essas duas entidades têm promovido uma série de atividades e ações no âmbito de universidades no próprio Congresso Nacional.”

Nas próximas terça e quarta feira haverá uma vigília em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), “para a qual todos os que defendem os direitos indígenas e quilombolas estão convidados”. “O motivo é a apresentação da ação direta de inconstitucionalidade contra o decreto que regulamenta o procedimento de regularização fundiária dos territórios quilombolas.”

Para ele, a chamada bancada ruralista do Congresso “se fortaleceu bastante por ocasião da promulgação do chamado Novo Código Florestal há alguns anos. “Ao flexibilizar substantivamente as regras sobre o desmatamento porteira adentro, os parlamentares da frente querem flexibilizar a apropriação de terras porteira afora. É uma agenda instrumental para esse setor. Há vários documentos públicos nesse sentido, na perspectiva de promover sua expansão nas ultimas terras públicas existentes no país. “

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja