rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Lei Di Dai e a maconha: “Mesmo que as pessoas fumem, elas ainda não assumem”

Por Silvano Mendes

A cantora, compositora e ativista Lei Di Dai está em turnê pela Europa até o início de setembro. Além dos shows em quatro países, durante sua passagem pelo velho continente ela grava músicas para seu próximo EP e participa de um projeto com mulheres vindas de países em conflito. Defensora da legalização da maconha, ela diz que o Brasil deveria se inspirar de experiências de sucesso sobre o tema na Europa.

Lei Di Dai ficou conhecida como um dos principais nomes do Dancehall no Brasil. A paulistana mistura esse estilo musical jamaicano nascido nos anos 1970 com influências diversas, que vão de Nina Simone a Tim Maia, e vem cativando os fãs nessa terceira turnê no Velho Continente. “Estou muito feliz com os resultados na Europa e no ano que vem com certeza vamos ter outra turnê”, planeja a cantora, que já fez escala na Itália, Alemanha, Holanda antes de uma maratona de shows no Reino Unido.

Nas terras da rainha Lei Di Dai - cujo nome não foi inspirado da famosa princesa -também participa pela segunda vez do Grrrl, um projeto organizado pela Universidade de Manchester que reúne artistas, sempre mulheres, vindas de países em situação de guerra, revolução ou conflito. Para ela, o Brasil se enquadra nesse contexto por estar em plena revolução. “Vivemos um momento incerto e as pessoas não sabem como vai ser o futuro”, comenta a cantora, que faz parte da iniciativa junto com artistas como Awa, do Zimbábue, Wiyaala, de Gana, ou ainda Sohini Alam, de Bangladesh, entre outras.

Defensora da maconha e da cultura nas periferias

Além de sua música, Lei Di Dai também ficou conhecida no Brasil por encabeçar desde 2012 o projeto Gueto pro Gueto, uma espécie de festa itinerante que leva música e ateliês artísticos para as periferias de São Paulo. “Montamos um palco onde as pessoas podem se manifestar culturalmente. Não sou a única a cantar para eles. Os moradores da comunidade também cantam para a gente. É um dia bem feliz para todos”, relata a cantora, que vê a música como um instrumento social.

Outra causa defendida pela artista é a luta pela legalização da maconha, tema recorrente em suas músicas. “O Brasil tem que se espelhar em países onde o consumo é legalizado e onde as pessoas estão evoluídas”, comenta, relatando sua experiência recente em Amsterdã, onde o consumo de algumas drogas é regulamentado. Mas para ela, que já teve alguns trabalhos censurados, o Brasil ainda tem um logo caminho a percorrer sobre o assunto. “Mesmo que as pessoas fumem, elas ainda não assumem”, conclui.

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima.

"Você não pode entender o Brasil sem entender a nossa violência", diz Patrícia Melo

“Toda tradução é uma traição”, diz tradutora dos clássicos de Perrault

Conheça Matthieu Doat, o “francês do samba”, que lança em Paris novo projeto musical entre França e Brasil

“O melhor urbanismo incentiva as relações sociais, criando uma vida de bairro”, diz Elizabeth de Portzamparc

Karim Aïnouz conta na Berlinale a vida de refugiados em aeroporto alemão

Aplicativo brasileiro de reciclagem que conecta catadores e população é premiado em Paris

“A emoção do rádio é impagável”, diz o narrador esportivo José Silvério

Carnaval revela essência da sociedade brasileira, diz antropólogo Roberto DaMatta

Internet ajudou a criar manifestações de revolta sem líderes, diz psicanalista Ana Costa

“Paul Bocuse adorava o Brasil,” diz chef de cozinha Laurent Suaudeau

“Quem precisa ser pacificada no Rio é a própria polícia”, afirma especialista em favelas

Opinião: Analistas e imprensa europeia têm visão “deformada” do “mito Lula”

“Brasil atual lembra momentos sombrios da história do país”, diz escritor Godofredo de Oliveira Neto

“Incompetência intercultural dificulta relações franco-brasileiras”, alerta linguista francês