rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Dez anos depois, UPP "não faz diferença" para moradores de favelas no Rio

Por Leticia Constant

Faz 10 anos que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) foram implantadas em favelas do Rio de Janeiro. O CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes) divulgou a quarta e última rodada da pesquisa sobre o projeto. Foram entrevistados 2.479 moradores de 118 comunidades de 37 territórios da cidade.

Os resultados apontaram que entre 55% e 68% consideram que que a presença da UPP "não faz diferença". Para a cientista social Silvia Ramos, uma das autoras do estudo, esse dado foi surpreendente.

“Olhando de fora temos sempre a impressão de que a experiência das UPPs foi algo definitivo para os moradores da favela, tanto para o bem como para o mal. Ou porque trouxe muita segurança em um certo momento ou porque os moradores detestam a polícia e aquela presença era vista como muito hostil”, analisa.

“Porém uma parte expressiva considera a UPP um serviço público como outro qualquer, que não está sendo bem prestado, que não é de boa qualidade, mas que não afeta tanto o cotidiano como nós imaginávamos. ”

Aspecto sensível

O conceito de polícia de proximidade, segundo o estudo, parece ser abafado pelas revistas corporais, a maioria em homens jovens e negros, e também por humilhações.

Para Silvia, “esse é um dos aspectos mais sensíveis da pesquisa”. “Verificamos que os moradores que são mais vezes abordados pela polícia, que têm as casas revistadas, são os mais reativos e os mais críticos à experiência. O que a gente observa é que aquele policial que ia realizar o trabalho comunitário e manter o diálogo com os moradores se transformou naquele policial ostensivo, hostil e que trata morador da favela, principalmente o jovem negro, praticamente como um inimigo”, explica.

Ela lembra que, “antigamente, o jovem era abordado quando saía da favela e transitava por um bairro de classe média alta do Rio de Janeiro”.

“Agora ele é abordado quando chega em casa e ao sair de casa. E essas experiências repetitivas, de desrespeito e muitas vezes de humilhação, são vividas como experiências de inimizade e de hostilidade. E isso produz sentimentos muito negativos. ”

Outro ponto relevante da pesquisa é a diferença de opinião de moradores brancos e negros.

“Nos extremos, vemos uma diferença acentuada de opiniões principalmente entre jovens negros e idosos brancos. Os moradores com mais de 60 anos tendem a ter uma opinião bastante favorável sobre a polícia, e os moradores de menos de 29 anos avaliam de forma muito crítica e muito negativa a experiência com a polícia e as perspectivas em relação ao futuro.”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum