rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Dez anos depois, UPP "não faz diferença" para moradores de favelas no Rio

Por Leticia Constant

Faz 10 anos que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) foram implantadas em favelas do Rio de Janeiro. O CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes) divulgou a quarta e última rodada da pesquisa sobre o projeto. Foram entrevistados 2.479 moradores de 118 comunidades de 37 territórios da cidade.

Os resultados apontaram que entre 55% e 68% consideram que que a presença da UPP "não faz diferença". Para a cientista social Silvia Ramos, uma das autoras do estudo, esse dado foi surpreendente.

“Olhando de fora temos sempre a impressão de que a experiência das UPPs foi algo definitivo para os moradores da favela, tanto para o bem como para o mal. Ou porque trouxe muita segurança em um certo momento ou porque os moradores detestam a polícia e aquela presença era vista como muito hostil”, analisa.

“Porém uma parte expressiva considera a UPP um serviço público como outro qualquer, que não está sendo bem prestado, que não é de boa qualidade, mas que não afeta tanto o cotidiano como nós imaginávamos. ”

Aspecto sensível

O conceito de polícia de proximidade, segundo o estudo, parece ser abafado pelas revistas corporais, a maioria em homens jovens e negros, e também por humilhações.

Para Silvia, “esse é um dos aspectos mais sensíveis da pesquisa”. “Verificamos que os moradores que são mais vezes abordados pela polícia, que têm as casas revistadas, são os mais reativos e os mais críticos à experiência. O que a gente observa é que aquele policial que ia realizar o trabalho comunitário e manter o diálogo com os moradores se transformou naquele policial ostensivo, hostil e que trata morador da favela, principalmente o jovem negro, praticamente como um inimigo”, explica.

Ela lembra que, “antigamente, o jovem era abordado quando saía da favela e transitava por um bairro de classe média alta do Rio de Janeiro”.

“Agora ele é abordado quando chega em casa e ao sair de casa. E essas experiências repetitivas, de desrespeito e muitas vezes de humilhação, são vividas como experiências de inimizade e de hostilidade. E isso produz sentimentos muito negativos. ”

Outro ponto relevante da pesquisa é a diferença de opinião de moradores brancos e negros.

“Nos extremos, vemos uma diferença acentuada de opiniões principalmente entre jovens negros e idosos brancos. Os moradores com mais de 60 anos tendem a ter uma opinião bastante favorável sobre a polícia, e os moradores de menos de 29 anos avaliam de forma muito crítica e muito negativa a experiência com a polícia e as perspectivas em relação ao futuro.”

“Favela é o maior resumo do Brasil”, afirma ativista do Complexo do Alemão

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna