rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil Michel Temer China

Publicado em • Modificado em

Atrás de novos investimentos, Temer viaja à China pela segunda vez neste ano

media
Foto de arquivo do presidente brasileiro, Michel Temer. REUTERS/Adriano Machado

O presidente Michel Temer desembarcou na China na manhã desta quinta-feira (31) para a sua segunda visita ao país em um ano. Ele chegou com sete ministros e 11 deputados. A ordem é correr atrás de novos investimentos para a economia brasileira.


Vivian Oswald, correspondente da RFI em Pequim

De olho na liquidez da economia chinesa e no desejo que têm de investir no exterior, Temer e sua equipe querem mostrar aos investidores que a economia brasileira está melhor do que há um ano atrás e que o país oferece excelentes oportunidades de negócios. O presidente quer atrair recursos para obras de infraestrutura e para o programa bilionário de 57 privatizações anunciado pelo governo.

A agenda começou com reuniões separadas com líderes de quatro grandes empresas chinesas, as gigantes de energia State Grid e Three Gorges, a multinacional de tecnologia de informação Huawei, e o conglomerado HNA, que atua em diversos setores como aviação, logística e turismo.

Até sábado (2), quando embarca para a cidade de Xiamen, ele ainda apresenta ao presidente chinês Xi Jinping, ao primeiro-ministro Li Keqiang e a empresários grandes projetos de infraestrutura e o programa de privatizações.

Acordos comerciais e de vistos para negócios

Ao final da série de encontros na capital, os dois países assinam acordos em diversas áreas. Entre eles, a nova encomenda de aviões da Embraer pelos chineses. Também deve ser assinado um acordo que prevê que os vistos de múltiplas entradas concedidos entre os dois países agora possam ter prazo de até cinco anos e não mais de três. O mesmo acontecerá para vistos de negócios.

Na saída dos encontros desta quinta-feira, as únicas reuniões previstas em sua agenda para o dia, o presidente Michel Temer afirmou que os investidores sabem que a economia brasileira está melhor do que há um ano e se mostraram interessados em investir no programa de privatização.

Ele também comentou que recebeu “com naturalidade” a decisão do ministro Edson Fachin de negar pedido de suspeição de sua defesa ao procurador-geral da República Rodrigo Janot no caso da investigação relacionada ao presidente que está sendo avaliado pelo Supremo Tribunal Federal. Segundo ele, o advogado está analisando se há recursos possíveis.

Primeira visita de Estado

Esta é a primeira visita de Estado que Temer faz a Xi Jinping, que o convidou ainda no ano passado para vir a Pequim, durante encontro bilateral às margens da cúpula do G20.

No sábado, em Pequim, ele participa de seminário empresarial organizado pela Agência de Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), e, no domingo (3), em Xiamen, do Fórum Empresarial do Brics.