rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Macron recebe prefeito João Doria no Palácio do Eliseu

Por Paloma Varón

O prefeito da cidade de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), está em Paris nesta sexta-feira (1º de setembro), onde participou do Global Positive Forum, um evento organizado pelo economista Jacques Attali, que foi assessor do ex-presidente (1981-1995) francês François Mitterrand.

Doria falou depois da prefeita de Paris, Anne Hidalgo, e de políticos como o primeiro-ministro da Islândia e representantes de países tão diversos como Fiji e Congo.

Antes de sua fala, porém, houve uma manifestação de uma mulher contra o governo Temer. O protesto foi pacífico e Doria limitou-se a dizer que respeitava o ato.

Na agenda do prefeito, estava incluído um encontro com o presidente francês, Emmanuel Macron, que aconteceu no Palácio do Eliseu, antes de um jantar com banqueiros e empresários. Amanhã, Doria tem um almoço previsto com o primeiro-ministro, Édouard Philippe.

Privatizações

Em sua palestra, em francês, Doria frisou as políticas de privatizações e concessões, que ele acredita trazerem mais eficiência e resultados para a cidade de São Paulo, assim como desenvolvimento econômico. Ele usou diversas vezes a palavra “desestatizar” e frisou que se deve distinguir o que é público (de uso público) do que é estatal.

O prefeito defendeu a iniciativa privada na gestão de políticas públicas e citou o que ele chama de start ups sociais, ou seja, empresas inovadoras para atuarem em setores como reciclagem de lixo e mobilidade urbana.

Perguntado se sua agenda em Paris era a agenda de um prefeito ou de um estadista, Doria disse que São Paulo é uma cidade-Estado, uma cidade global e afirmou que continuará viajando, apesar das críticas que recebe por não estar sempre em São Paulo.

Neste momento, aproveitou para atacar o PT, dizendo que o partido faz uma política “miúda, pequena e personalista”, enquanto a sua política seria “mais ampla, plural e de interesse da população de forma global”.

Doria falou que o foco é administrar a cidade de São Paulo, mas agradeceu a todos os jornalistas que fizeram perguntas sobre suas intenções presidenciais, pois disse que isso o “enaltece”.

Macron

O prefeito manifestou sua admiração pelo presidente Emmanuel Macron, a quem chamou de “fonte de inspiração”, mas desconversou quando perguntado se ele estaria em pré-campanha: “Estou aqui na condição de prefeito de São Paulo”, disse.

Ao final de sua intervenção, Jacques Attali subiu ao palco para anunciar que a próxima edição do Global Positive Forum será em São Paulo, em 2019.

Doria disse que faria o convite ao presidente Macron para que ele abrisse o evento em São Paulo.

Mobilidade urbana

Questionado se o aumento do número de acidentes nas marginais estaria relacionado ao aumento da velocidade máxima permitida, ele contestou e disse que os acidentes ocorrem por imprudência dos motoristas e dos motociclistas.

Doria falou de melhorias nos ônibus municipais, segundo ele previstas para acontecerem até 2020, e do incentivo ao uso de bicicletas e carros elétricos para que a capital paulista seja uma cidade mais sustentável.

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

“Escrever já é uma resistência”, defende poeta Ana Elisa Ribeiro em Paris

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

"Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser

Cláudio Edinger participa da feira Paris Photo com imagens de "Machina Mundi"

“Produzimos 45% de toda a proteína do Brasil sem desmatar”, diz governador do Mato Grosso na China

“Villa-Lobos leva o europeu a se interessar por outros compositores brasileiros”, diz Paulo Meirelles

Brasília se cala sobre a responsabilidade da Samarco na tragédia de Mariana, diz promotor

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

“Nunca morreram tantas pessoas assassinadas no Brasil”, diz pesquisador

Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"

“Não existe salvador da pátria”, afirma prefeito do PSDB em visita a Paris