rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Rio 2016 Comitê Olímpico Internacional (COI) Corrupção

Publicado em • Modificado em

COI promete investigar denúncias contra Nuzman e compra de votos para Rio 2016

media
Jogos Olímpicos Rio2016 facebook.com/rio2016

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, negou nesta segunda-feira (11) haver "responsabilidade coletiva" no escândalo de corrupção para a atribuição da sede dos Jogos Olímpicos de 2016 ao Rio de Janeiro.


"Não há nenhuma responsabilidade coletiva, porque são atos que foram cometidos por uma só pessoa que vai contra o interesse da organização", afirmou Bach em coletiva de imprensa em Lima, no Peru, onde o COI irá confirmar Paris e Los Angeles como sedes dos Jogos Olímpicos de 2024 e 2028, respectivamente.

Na semana passada, as autoridades brasileiras realizaram uma grande operação contra Carlos Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e membro honorário do COI, suspeito de ter organizado um esquema de compra de votos para que o Rio de Janeiro fosse escolhido sede dos Jogos de 2016.

Denúncias serão esclarecidas, promte Bach

Bach reiterou que o COI tomará as medidas necessárias quando o Comitê de Ética da entidade receber das autoridades brasileiras as provas das acusações que pesam sobre Nuzman.

"Nos encontramos diante de denúncias contra Nuzman e isso tem que ser esclarecido e depois serão tomadas as devidas ações", refirmou o presidente do COI.

Ao ser questionado sobre a imagem do COI após o escândalo, Bach garantiu que "nenhuma organização do mundo está imune de problemas de credibilidade". Nesta quarta-feira, a 131ª sessão do COI definirá a dupla atribuição dos Jogos Olímpicos para Paris-2024 e Los Angeles-2028 pela primeira vez na história.

(com informações da AFP)