rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Incidente da Rocinha poderia ter acontecido em Copacabana", diz Marcelo Armstrong, operador de turismo da cidade

Por Mauricio Assumpção

Nesta segunda-feira (23), a turista espanhola Esperanza Ruiz Jimenez, 67 anos, morreu quando foi alvejada por tiros disparados por dois policiais, durante um passeio à comunidade da Rocinha, na cidade do Rio de Janeiro. Marcelo Armstrong é o dono da agência Favela Tour que, há 25 anos, leva turistas para conhecer as favelas da cidade.

“O que ocorreu foi uma tragédia sem precedentes”, disse Marcelo por telefone à RFI. “Em 25 anos de trabalho, seja na minha operadora ou na de um colega, nunca passamos por uma situação semelhante. Sobretudo porque a turista foi alvejada por um policial”.

A guerra entre os narcotraficantes da Rocinha, que há quatro semanas aterroriza a população da comunidade, coloca em cheque o conceito das UPPs e das comunidades supostamente pacificadas, frequentemente visitadas por turistas estrangeiros.

“Desde novembro de 2011, a Rocinha é considerada uma favela pacificada”, lembra Marcelo. “Então, como é possível haver confrontos entre gangues de traficantes numa favela que, segundo o governo, está pacificada? Se a questão da segurança não funciona mais no Rio de Janeiro, seja em áreas de favela ou não, essa questão é muito mais importante do que o fato de uma turista ter sido assassinada por um policial. A insegurança do Rio não está limitada à Rocinha. Ela tomou conta de toda a cidade”.

Culpa de quem?

Em última instância, quem seria o responsável pela morte de um turista alvejado por um policial numa área de evidente conflito entre traficantes fortemente armados?

“Qualquer tentativa de se responsabilizar a agência de turismo pelo que aconteceu é uma inversão que compreende um certo cinismo”, defende Marcelo. “O responsável único é o governo. O responsável único é aquele a quem pagamos muito para nos garantir o direito de segurança, previsto na Constituição, seja na Rocinha, seja em Copacabana ou em qualquer lugar”.

A morte da turista espanhola soma-se àquelas de outros turistas que, no Rio de Janeiro, entraram por engano em áreas de riscos sendo alvejados por traficantes. O incidente, ocorrido numa época de profunda crise política e econômica, em níveis estadual e federal, acentua a decadência do turismo no Brasil e, sobretudo, no Rio de Janeiro.

“A violência na cidade está afetando o turismo como um todo, e não só na Rocinha. Vários hotéis, albergues e agências de turismo estão fechando as portas. Como é possível isso, apenas um ano e três meses após os Jogos Olímpicos, que foram ‘vendidos’ aqui como um evento de megaproporção para trazer visibilidade ao turismo do Rio de Janeiro? Foi uma mentira! (...) Se existe um responsável por tudo isso, não sou eu, não são as agências, ninguém, a não ser o governo que mente para o povo”, concluiu Marcelo Armstrong.

 

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura