rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil Política Corrupção Le Monde

Publicado em • Modificado em

Brasil vive “cinismo político”, diz Le Monde

media
O cinismo político no Brasil é destaque no jornal Le Monde desta quinta-feira (2) Fotomontagem RFI/ lemonde.fr

A edição do jornal francês Le Monde que chegou às bancas na tarde desta quinta-feira (2) traz uma análise crítica sobre as recentes votações do Congresso Nacional brasileiro, que livraram o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves de denúncias por crimes de corrupção. O título do artigo, assinado pela correspondente do vespertino no país, Claire Gatinois, fala de um Brasil marcado pelo cinismo político.


O jornal francês faz uma retrospectiva do placar das votações e das suspeitas envolvendo Temer e Aécio. O presidente, segundo Le Monde o mais impopular desde a redemocratização brasileira, é acusado de participação em organização criminal e obstrução à Justiça, enquanto Aécio é suspeito de corrupção passiva e também de obstrução à Justiça, relata o jornal.

Le Monde diz que Temer e Aécio são considerados pelos analistas como “cadáveres políticos”. O jornal francês assinala que, mesmo assim, apesar de todos os indícios, os deputados e senadores brasileiros preferiram inocentá-los e encerrar a tramitação das denúncias apresentadas pela Procuradoria Geral da República.

Divórcio entre Congresso e população

O jornal francês assinala ainda que a decisão do Congresso brasileiro reflete a crise política pela qual o país atravessa. Citando o cientista político Ruda Ricci, o vespertino afirma que as decisões do Parlamento brasileiro “não têm mais ligação com o que pensa a população”.

Para o cientista político, reforça o jornal francês, o voto popular não vale mais no país e o Brasil virou uma plutocracia, ou seja, um governo dos mais ricos. A correspondente do Le Monde encerra a análise afirmando que “o divórcio de Brasília com o povo brasileiro não é mais uma novidade”.

O jornal francês conclui alertando que, a um ano das eleições presidenciais, esse “desprezo explícito poderá ter perigosas consequências”.