rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Projeto brasileiro promove empreendedorismo feminino na Web Summit

Por RFI

Brasileiras que percorreram o mundo atrás de histórias de mulheres empreendedoras contaram a experiência na Web Summit 2017, em Lisboa. O projeto “The Girls on the Road” foi um dos destaques da maior feira de tecnologia do mundo que aconteceu nesta semana, de 5 a 8 de novembro, na capital portuguesa.

Por Luciana Quaresma, Correspondente da RFI em Lisboa

As brasileiras Fernanda Moura e Taciana Mello deixaram suas carreiras corporativas e decidiram viajar pelo mundo para contar histórias de mulheres empreendedoras. O registro destes encontros faz parte do projeto “The Girls on the Road”, que será transformado em um documentário e em livro. A dupla foi convidada para contar essa experiência na Web Summit 2017.

Taciana Mello disse à RFI que foi uma chance falar no evento: “vir para a Web Summit para falar sobre o que as mulheres tem feito é uma chance porque eu acho que a gente fala muito pouco sobre empreendedorismo feminino e, mais do que nunca, é necessário atrair mais mulheres à economia em várias posições incluindo a de empreendedora. Participar como mentoras de jovens empreendedoras e dividir um pouco da nossa experiência ao redor do mundo”, diz Taciana.

A dupla quer que essa experiência também seja uma fonte de inspiração para outras mulheres. “A gente tem que ter mais mulheres em eventos como esse. O Web Summit já deu um grade passo mas ainda não está próximo do ideal, pois nas principais arenas a maioria dos palestrantes é homem, mas quem sabe nestes próximos anos a gente vai ver mais e mais mulheres nas principais arenas”, acredita Fernanda. Moura.

Origem do projeto

A ideia do projeto surgiu depois da dupla constatar que a falta de exemplos de mulheres bem-sucedidas é um dos fatores que contribuem para que não haja mais empreendedoras. Foi por esse motivo que Fernanda e Taciana decidiram ir em busca de mulheres que conseguiram quebrar barreiras. As brasileiras entrevistaram 334 pessoas, em 24 países dos cinco continentes, durante 15 meses.

“A gente costuma dizer que as nossas referências são as 334 mulheres que a gente entrevistou. Toda história é importante. Cada uma delas trouxe alguma coisa que é relevante, que vai servir de inspiração e de aspectos práticos também para outras mulheres. Mas a gente gosta de dar destaque para aquelas que são de lugares mais distantes da nossa realidade, como por exemplo, Oriente Médio. E quando a gente pensa em mulheres muçulmanas, e que também são empreendedoras, vem muitos estereótipos na nossa cabeça. Nós entrevistamos mulheres empreendedoras no Líbano, na Jordânia, Palestina e até na Faixa de Gaza. São mulheres que praticam sua fé, de véu, mas que tentam construir seus negócios para melhorar as condições de vida da região onde vivem, usando as dificuldades que elas têm para criar oportunidades!”, explica Taciana Mello.

Apesar de as entrevistadas terem cultura, origem e religião completamente distintas, as mentoras do projeto perceberam que todas elas tinham algo em comum. Segundo Taciana,“ se tiver uma palavra para resumir algo em comum em todas elas, é garra, determinação, tendo muito claro onde elas querem chegar. A gente viu isso em mulheres destes 24 países com culturas muito distintas mas vivendo os mesmos desafios. Todas mostrando muita garra, muita força!”.

Fernanda completa dizendo que também “ sem dúvida, resiliência, vontade de crescer e ambição!” “A gente acredita que contar essas histórias é uma forma extremamente relevante da gente mudar a atitude e a percepção das pessoas”, concluiTaciana.

O documentário e livro “The Girls on the Road” será lançado no próximo ano.

Café brasileiro aberto em Tel Aviv conquista israelenses pela qualidade

Brasileira ensina dinamarqueses a buscar equilíbrio do corpo e viver com saúde

Exposição com artistas brasileiras em Los Angeles mostra resistência feminina à ditadura

Pesquisador brasileiro busca na Dinamarca respostas para preservar Amazônia

Pintor brasileiro viaja pela Europa dividindo tela em branco com artistas locais

"O antissemitismo sempre existirá, mas há progressos", avalia brasileiro no museu do Holocausto