rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Catequismo da luta anticorrupção estimula protagonismo do Judiciário no Brasil", diz especialista

Por Patricia Moribe

O Brasil está mergulhado em uma das piores crises políticas da sua história, não é segredo nenhum. A corrupção, acalentada durante todo o sempre, virou uma hidra, como a criatura mitológica com cabeças que se multiplicam. A luta anticorrupção no Brasil dos anos 2000 é tema de pesquisa de Fabiano Engelmann, professor do departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Como combater a corrupção num momento em que os três poderes distintos e autônomos, responsáveis pelo bom andamento da República, isso é, Executivo, Legislativo e Judiciário, se mesclam tanto? Engelmann analisa a situação através de três eixos.

“Desde a Constituição de 1988, desde o processo de redemocratização, o judiciário e, principalmente, o Ministério Público, foram adquirindo uma autonomia crescente, em termos de recursos, e também passaram a intervir bastante no espaço político”, explica o pesquisador.

“Há também o incremento da luta anticorrupção no âmbito internacional, a partir da OCDE, da ONU, da influência americana, com uma série de leis sendo promulgadas. Esse movimento internacional influencia as leis nacionais”, continua Engelmann.

“O terceiro ponto se refere ao jogo político, à conjuntura política, à problemática da grande fragmentação dos partidos políticos, a dificuldade de formação de coalizões de apoio aos governos no Congresso Nacional, o custo disso, da negociação da formação de ministérios. O custo das campanhas eleitorais também foi aumentando nos últimos 20 anos”, acrescenta o pesquisador.

Esses fatores relacionados acima, segundo Engelmann, “potencializaram as questões relacionadas à corrupção, ao financiamento de campanhas através de verbas ilícitas”. Esses fatores combinados levaram a uma maior judicialização, a um maior número de processos, que antes eram mais restritos a prefeituras e que depois passaram a atingir políticos em escala nacional, explica.

 

"Podemos nos afogar nas paisagens brasileiras", diz pintora francesa Guillaine Querrien

"O Brasil pode competir de igual para igual com os maiores ecossistemas de inovação do mundo", diz empreendedor brasileiro

"Há uma grande correlação entre música erudita e popular", diz cantora Rany Boechat

“Há um projeto de destruição do ensino superior público no Brasil”, denuncia professora da UERJ

Tite destaca lado humano de Neymar e diz: "Tem visibilidade grande, muitas vezes vão invejar, falar mal"

"Transformamos a China de concorrente a mercado para nossos calçados", conta Roberta Ramos

Pesquisadora traça paralelo entre os períodos pré-64 e pré-impeachment de Dilma

“Cinema independente tem mais espaço para produção de mulheres”, diz pesquisadora da Sorbonne

"É fundamental que Lula seja candidato em 2018", diz Bresser Pereira, ex-ministro de FHC

“Brasil produz mais de 400 tipos de queijos”, revela a chef Roberta Sudbrack

“Nós vendamos o público para tentar curá-lo da cegueira do Outro”, diz encenador de Cidade Cega

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

“Escrever já é uma resistência”, defende poeta Ana Elisa Ribeiro em Paris

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

"Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser