rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"É fundamental que Lula seja candidato em 2018", diz Bresser Pereira, ex-ministro de FHC

Por Márcia Bechara

Ele é paulistano e professor emérito da Fundação Getúlio Vargas, onde leciona desde 1959. Um dos observadores mais atentos do Brasil, ele foi também ministro da Fazenda durante a presidência de José Sarney, e ministro da Administração Federal e de Ciência e Tecnologia durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. O RFI Convida o economista e cientista político Luiz Carlos Bresser Pereira, que realiza nesta terça-feira (28) uma conferência no Instituto de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS), em Paris, com o tema "Pela reconstrução do elo social no Brasil, o regrupamento de forças democráticas e o futuro da nação".

Há cerca de 30 anos, Luiz Carlos Bresser Pereira assumia o Ministério da Fazenda, no governo de José Sarney, num momento também difícil para o Brasil. De lá para cá, muita água passou por debaixo da ponte e desembocamos num país, descrito pelo jornal Libération, como o “novo laboratório neoliberal”. O que teria acontecido? Para o cientista político, a afirmação do jornal francês “é uma verdade”. “O governo brasileiro governa sem povo e contra o povo”, alfineta, repetindo a manchete do jornal francês.

“Desde a década de 1980, o Brasil é uma economia que cresce muito pouco. Tenho um livro, de dez anos atrás, chamado ‘Macroeconomia da estagnação’, que fala muito sobre isso. Com o Collor, na década de 1990, veio o neoliberalismo, que dominou o Brasil durante 12 anos, o governo Collor e os dois governos Fernando Henrique, e o Brasil não cresceu”, contextualiza Bresser Pereira.

“Aí veio o Lula e a Dilma, e o Brasil cresceu um pouco mais, por causa de um boom de commodities. Houve uma tentativa de fazer um governo mais à esquerda, mais defendendo o povo. Nada de radical. Os banqueiros, principalmente, estavam muito felizes com o Lula. A Dilma foi uma presidente pouco hábil do ponto de vista político, um pouco arrogante, talvez. Quando a taxa de crescimento baixou, em 2013, começou a surgir no Brasil um ódio. Fiquei impressionadíssimo com isso. De repente o PT e o Lula eram pessoas terríveis, organizações subversivas”, analisa.

“Quando os liberais da direita, que achavam que iam ganhar a eleição, perderam, aí a coisa ficou muito feia. Começaram a querer o impeachment, um impeachment sem nenhuma razão de ser, foi claramente um golpe”, afirma Bresser Pereira. “O atual governo brasileiro passou uma emenda constitucional que congelou a despesa pública, uma coisa sem nenhum sentido”, acusa.

“O que os economistas ortodoxos dizem é uma explicação única para todas as crises: a irresponsabilidade fiscal. Mas nos últimos 15 anos eu venho estruturando uma teoria chamada ‘novo desenvolvimentismo’, com foco na taxa de câmbio e no superávit ou déficit externo do país em conta corrente. O problema fundamental do país desde 1994, no Plano Real, é que as taxas de juro são muito altas, as maiores do mundo, e a taxa de câmbio é apreciada no longo prazo, o que inviabiliza a indústria”, explica Bresser Pereira.

“Lula é um grande líder”

Bresser Pereira, que diz não crer que “Lula seja o candidato ideal” (no artigo “Eleições contra o radicalismo e o ódio”, disponível em seu site), afirma no entanto que “Lula é um grande líder. Provavelmente acabarei votando nele”. “Temos um outro candidato que também é muito bom, o Ciro Gomes. Mas a preferência do povo brasileiro é muito clara para o Lula”, afirmou.

“O Lula precisa aprender um pouco comigo sobre taxa de câmbio”, brinca Bresser Pereira. “Tenho conversado com ele. A coisa mais importante no Brasil hoje é que haja eleições e que Lula possa ser candidato. Isto é fundamental. É o mínimo que se pode esperar para que a democracia brasileira possa recuperar um pouco a sua voz”, declarou o economista e cientista político.

(Para ouvir a entrevista com Luiz Carlos Bresser Pereira na íntegra, basta clicar acima na foto que ilustra esta matéria)

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Psicóloga brasileira publica na França livro sobre terapia sistêmica individual

“Desigualdade não diminuiu tanto assim nos anos 2000”, diz pesquisador do IPEA

“Maio de 68 foi uma explosão de criatividade, às vezes caótica”, diz Frédéric Pagès

“É um momento de celebração de mulheres em Cannes”, diz a atriz Mariana Ximenes

"Compromisso de ONG Líderes para a Paz é promover soluções pacíficas para conflitos", diz Antonio Patriota

“O Cinema Novo praticamente nasceu em Cannes, em 1964”, conta Cacá Diegues

Psicóloga lança em Paris livro sobre práticas medicinais e cultura de etnia da Amazônia

Regulamentação europeia para proteção de dados pessoais pode ter impacto no Brasil

“De 8.500 brasileiros adotados por franceses, metade pode ter sido de maneira ilegal”, estima especialista

Oxfam: aumento da desigualdade leva à instabilidade política e econômica no Brasil

Em turnê europeia, São Paulo Cia de Dança traz leitura do mundo em seus passos

Brasileira conta invasões à Sorbonne e à Casa do Brasil em Maio de 68

Voos diretos da Air France/KLM vão transformar Fortaleza em hub de conexões, diz governador

Federação sindical mundial lança site para valorizar trabalhadores dos serviços públicos

“Sistemas político e econômico do Brasil não se modernizaram como o judiciário”, diz economista francês