rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Rocinha encarna a redenção impossível das favelas, diz Le Monde

Por Silvano Mendes

A revista semanal M do jornal francês Le Monde traz uma longa reportagem sobre a violência no Rio de Janeiro. A correspondente da publicação no Brasil visitou a favela da Rocinha e conta o caos em que o local se transformou nos últimos meses.

Na reportagem de quatro páginas a jornalista Claire Gatinois explica as origens da retomada da crise na Rocinha, “ a maior favela da cidade, que desde os anos 2010 parecia quase curada de suas feridas, do tráfico de drogas e da violência”. O texto conta como, desde setembro passado, o que deveria ser um “símbolo do sucesso da política de pacificação” foi por água abaixo por causa da guerra das gangues.

A correspodente relata que as novas tensões começaram quando Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, ordenou, a partir de sua cela na prisão de Rondônia, a execução de seu ex-braço direito, Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157. Além das desavenças explicadas em detalhes pela jornalista, o texto lembra que no centro da disputa está a luta pelo controle de “um dos maiores pontos de revenda de cocaína no Rio de Janeiro” que, segundo o ministério brasileiro da Justiça, rende cerca de R$ 10 milhões por semana.

Desde que essa guerra foi retomada, a população vive com medo, relata Le Monde. “Os moradores começam a falar mais baixo quando o assunto é a gangue de Nem ou de Rogério 157”, comenta a jornalista. “Todos se sentem espionados pelos vigias dos grupos rivais”, continua.

Balas perdidas fazem parte da rotina

A reportagem conta que os casos de vítimas de disparos já fazem parte da rotina dos moradores. “Desde o início deste ano, cerca de 10 crianças, entre 2 e 14 anos de idade foram mortas por balas perdidas no Estado do Rio de Janeiro”, conta o texto.

A correspondente também relata o caso de estrangeiros, como a turista espanhola Maria Esperanza Jiménez Ruiz, baleada quando participava de um Favela Tour. “O caso deu o que falar na imprensa brasileira”, comenta, explicando que, dessa vez, o autor do disparo não foi um traficante, e sim um policial.

Estado falido e polícia desgastada

Le Monde dá um salto no tempo para contar como, a partir de 2007, com a chegada de José Mariano Beltrame na direção de Secretaria de Segurança do estado do Rio Janeiro, a situação parecia melhorar. “Ele enviou soldados aos bairros abandonados, em operações dignas do desembarque na Normandia”, relembra o texto, em referência à chegada dos aliados na costa francesa na Segunda Guerra mundial, em 1944. Depois da prisão de Nem, em 2011 e da implementação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPSs), ele se tornou um herói no Rio de Janeiro, conta a jornalista. Porém, diante da falta de recursos, o processo foi aos poucos perdendo sua força.

Em 2016, a situação piorou, quando “o estado do Rio de Janeiro entrou em uma falência financeira, política e moral”. Resultado: “desgastada fisicamente e moralmente, a polícia retomou sua postura de guerra”.

Francesa mostra circuito de 200 motéis como atração turística do Rio de Janeiro

Revista L’Obs questiona “o que é ser um homem na era pós #Metoo”

Exposição com fotos inéditas dos bastidores da Nouvelle Vague é destaque na imprensa francesa

“Cães dos poderosos”: animais de estimação de presidentes franceses são capa da revista do Le Monde

Projeto de extração de ouro na Guiana Francesa vira "mina da discórdia"

Filme sobre Edir Macedo ilustra poder dos evangélicos no Brasil, diz Le Monde

Juiz uzbeque que criou confusão no Brasil é recordista de arbitragem na Copa

Finlândia tenta resolver crise de moradia oferecendo casa para os sem-teto

Nobel de Economia francês adverte contra discursos ultraconservadores distantes do interesse coletivo

Revista lembra laços com o Brasil de vítima de crime antissemita na França