rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • França sugere que migrantes do navio Aquarius desembarquem em Malta
RFI CONVIDA
rss itunes

“Cinema independente tem mais espaço para produção de mulheres”, diz pesquisadora da Sorbonne

Por Elcio Ramalho

A projeção do documentário “Lute como uma menina” nesta quarta-feira (29) na Maison de l’Amérique Latine, em Paris, vai mostrar ao público francês a mobilização espontânea de jovens secundaristas contra um projeto do governo de São Paulo que previa o fechamento de vários colégios.

Muitas escolas foram ocupadas pelos estudantes e o governo do Estado acabou suspendendo o projeto. A mobilização, no entanto, rendeu um documentário de 76 minutos, produzido por Beatriz Alonso e Flávio Colombini, que segue carreira em circuitos alternativos.

Na obra, a dupla entrevistou uma série de meninas que foram protagonistas do movimento. Elas relataram suas experiências com a mobilização e também revelaram problemas recorrentes dentro dos estabelecimentos de ensino como o sexismo.

Convidada para apresentar o trabalho audiovisual da mobilização que atingiu 200 escolas públicas paulistas em 2015, a doutoranda em cinema na Universidade Sorbonne Nouvelle Paris 3, Beatriz Rodovalho, aproveita também a obra para discutir a presença feminina na produção cinematográfica brasileira.

“De uma perspectiva francesa, o que vale destacar primeiramente é a mobilização dos jovens, um engajamento e mobilização da juventude, e principalmente, neste caso, de mulheres. Além de um despertar de consciência política de uma nova geração”, ressalta.

Segundo a pesquisadora, o documentário se insere em um contexto brasileiro de valorizar a presença feminina em obras cinematográficas.

“Um olhar não só feminino, mas feminista, preocupado não apenas com as desigualdades, mas também com as opressões causadas por um sistema patriarcal e machista”, destaca.

“Existe há alguns anos uma grande mobilização por parte de mulheres no cinema brasileiro que se organizam em coletivos, cineclubes, produções e plataformas na internet, ou seja da criação até à área acadêmica que tenta mudar esse quadro, um padrão muito machista do cinema brasileiro”, afirma.

Fraca presença de mulheres

As questões de gênero fazem parte do trabalha acadêmico de Beatriz, que recorre ao último levantamento feito pelo Observatório da Ancine para confirmar a distorção da presença feminina no setor cinematográfico brasileiro.

“Dos filmes produzidos entre 1970 e 2016 com mais de 500 mil espectadores, ou seja, quase 500 filmes, cerca de 98% foram dirigidos por homens”, exemplifica.

A situação evolui, mas ainda está longe de confortar a presença feminina neste mercado. “Nos últimos anos, apenas 20% dos filmes produzidos no país foram dirigidos por mulheres”, diz.

Beatriz lembra que o documentário “Lute como uma menina” não se enquadra no mecanismo de financiamento da política pública e investimentos da Ancine, que tem uma lógica mais comercial.

No entanto, a pesquisadora considera o trabalho independente realizado em São Paulo um exemplo de obras que valorizam a presença das mulheres ocupando espaços nos canais alternativos de produção e distribuição.

“É no ambiente independente que vemos mais essa sensibilização e mobilização das mulheres para produzir um cinema próprio”, constata.

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano